Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

A extensão dos prejuízos causados por acidente permitem complementação da indenização

A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao manter a decisão do TJ-RS,  firmou entendimento de que é possível a propositura de ação complementar para ampliar a indenização em virtude da extensão dos prejuízos causados em decorrência de acidente de trânsito. 

O colegiado rejeitou o recurso de uma empresa de transportes coletivos que sustentava o impedimento da ação de complementação em razão do acordo extrajudicial celebrado entre as partes, pelo qual a vítima do acidente deu ampla e irrevogável quitação pelos danos sofridos.

A Turma afirmou que a falta de conhecimento por parte da vítima do acidente de trânsito com relação a extensão dos prejuízos provocados permite afastar a regra pela  qual a quitação plena obsta o ajuizamento de ação para ampliar o valor da indenização, principalmente em função do curto intervalo de tempo entre a data do acidente e o acordo celebrado com o responsável pelo dano.

Do caso

Na ação inicial, a autora declarou que era passageira de um ônibus de propriedade da empresa quando houve uma colisão. Em virtude do impacto no acidente, a passageira bateu o rosto no banco dianteiro que resultaram em cortes na boca e graves problemas dentários. 

Por sua vez, a empresa em sua contestação informou que a autora havia sido indenizada em R$ 1 mil logo após o acidente e deu quitação integral do acordo, razão pela qual não poderia existir nova cobrança referente ao mesmo fato.

Situação excepcional

Todavia, nas instâncias comuns, a empresa recebeu a condenação para pagar R$ 12 mil pelo tratamento odontológico da autora, deduzindo-se o valor recebido do seguro DPVAT, e cerca de R$ 14 mil por danos morais. O entendimento do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) considerou que, nas eventualidade do caso, o acordo não impedia a ação judicial, devendo somente haver o desconto do valor já recebido.

A ministra Isabel Gallotti, relatora do recurso especial da empresa, declarou que, no entendimento da jurisprudência do STJ, apenas situações excepcionais justificam o afastamento da plena validade do ato de quitação.

Real prejuízo

De acordo com a ministra, no caso em tela, o TJ-RS concluiu que, em virtude do curto prazo entre a data do acidente (20/04/2015) e a assinatura do acordo (08/05/2015), a passageira ainda não tinha conhecimento do real prejuízo sofrido, principalmente em razão do amplo tratamento odontológico a que foi submetida posteriormente.

“Entendo, portanto, ter-se configurado excepcionalidade que autoriza a pretensão de recebimento das diferenças devidas, nos termos da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça”, concluiu a ministra ao manter a decisão do TJ-RS.

Veja mais informações e notícias sobre o mundo jurídico AQUI

Avalie o Texto.

Veja o que é sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.