Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

TRT-RN: Prefeitura é condenada por não fiscalizar contrato de terceirizado

A 1ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN) condenou subsidiariamente a Prefeitura Municipal de Guamaré, localizada no interior do Rio Grande do Norte, ao pagamento dos débitos trabalhistas de um cozinheiro que prestava serviços de forma terceirizada.

O desembargador José Barbosa Filho, relator do processo no TRT-RN, destacou que o município de Guamaré confirmou que “não fiscalizou a empresa contratada quanto ao adimplemento das obrigações trabalhistas (culpa in vigilando), o que atrai a aplicação da Súmula 331, V, do Tribunal Superior do Trabalho (TST) e, por conseguinte, a responsabilização subsidiária”.

Entenda o caso

O cozinheiro deu início a prestação de serviços para a Prefeitura, como empregado da Paisagem Comércio e Serviços LTDA., de novembro de 2017 a abril de 2018, quando encerrou o contrato da empresa com o município. Entretanto, o trabalhador foi demitido sem receber as verbas rescisórias (férias, 13° salário e FGTS), nem as horas extras não pagas.

Ausência de fiscalização

Diante disso, o executivo municipal sustentou, no processo, que não possuía nenhum tipo de ingerência na administração da empresa, o que a impossibilitaria de averiguar as situações apontadas pelo autor da ação, principalmente com relação à jornada de trabalho.

No entanto, no entendimento do desembargador-relator, com essa alegação, o município confirmou que não fiscalizou a empresa contratada quanto ao adimplemento das obrigações trabalhistas.

Responsabilidade subsidiária

Além disso, o magistrado ressaltou que o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a responsabilidade subsidiária do poder público não é automática. Ela só existe com a comprovação de “culpa in eligendo” ou “culpa in vigilando”, que decorrem “da inarredável obrigação da administração pública de fiscalizar os contratos administrativos firmados sob os efeitos da estrita legalidade”.

Portanto, na avaliação do magistrado, a afirmação de que era impossível a fiscalização quanto ao controle da jornada não procede, “uma vez que bastava ao contratante exigir da contratada a entrega dos controles de ponto dos empregados”.

Por isso, a decisão da 1ª Turma foi por maioria e manteve o julgamento da Vara do Trabalho de Macau (RN).

(Processo nº 0000811-48.2018.5.21.0024)

Fonte: TRT-21 (RN)

Veja mais informações e notícias sobre o mundo jurídico AQUI

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.