Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

STJ rejeita habeas corpus pleiteando a diminuição da pena de acusada por homicídio qualificado

A ministra Laurita Vaz, do Superior Tribunal de Justiça, negou a ordem do habeas corpus 613499, impetrado pela defesa de uma mulher que requereu a redução da pena-base pela prática do crime de homicídio.

Ao indeferir a liminar pleiteada, a relatora entendeu que a medida não beneficiaria a acusada de forma imediata e, tampouco, verificou ilegalidade latente a ser corrigida.

Pena-base

Consta nos autos que a mulher foi condenada à pena de 28 anos e 7 meses de reclusão, em regime inicial fechado, por ter cometido o crime de homicídio qualificado pelo emprego de mais duas pessoas.

Inconformada com a sentença condenatória, a defesa interpôs recurso perante o Tribunal de Justiça de São Paulo pugnando a redução da pena para 22 anos e 6 meses.

Paralelamente, os advogados da acusada impetraram um habeas corpus ao Superior Tribunal de Justiça, sustentando que a pena-base foi estabelecida acima do mínimo legal e de modo desproporcional.

Além disso, de acordo com a defesa, a sentença não considerou a confissão espontânea da ré na dosimetria da pena.

Tutela de urgência

Ao analisar o caso no STJ, a ministra-relatora Laurita Vaz ressaltou que não existem nos autos quaisquer dos pressupostos obrigatórios para o deferimento da tutela de urgência requerida da liminar, sobretudo o risco de dano irreparável em decorrência da demora do processo.

Para a relatora, diante de uma pena maior do que 22 anos, a defesa deveria apontar qual seria o benefício imediato à acusada no caso de diminuição da pena-base em razão da incidência da atenuante da confissão espontânea.

Diante disso, não havendo situação caracterizadora de abuso de poder ou de evidente ilegalidade sanável no caso analisado, a ministra negou provimento à liminar em habeas corpus, cabendo aos julgadores o julgamento definitivo do caso.

Com efeito, com o retorno dos autos, o mérito do habeas corpus ser apreciado pela turma colegiada.

Fonte: STJ

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.