Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Poeira do Saara: os impactos ambientais e climáticos

Conheça detalhes do que esse fenômeno causa

Tempestades de poeira do Deserto do Saara cruzam o Atlântico. São realmente enormes nuvens de areia e lodo trazidas pelo vento da superfície do deserto. Falamos disso neste artigo: Poeira do Deserto do Saara: definição do fenômeno e suas propriedades.

De acordo com pesquisadores em artigo publicado na revista Geophysical Research Letters, toneladas de fósforo são lançadas no Oceano Atlântico.

E isso é uma coisa boa, considerando que esse número reflete a quantidade estimada de fósforo que a Amazônia perde a cada ano devido a chuvas e inundações.

Impactos ambientais

Conforme a poeira rica em minerais se espalha nas paisagens abaixo, ela interage com o ar, a terra e o oceano de uma infinidade de maneiras, benéficas e prejudiciais.

Por exemplo, o ferro e o fósforo na poeira do Saara fertilizam as plantas terrestres e marítimas (como o fitoplâncton) que precisam desses micronutrientes para um crescimento adequado.

Por outro lado, se muito fósforo ou ferro superalimenta água salgada e algas de água doce, podem ocorrer proliferações de algas prejudiciais.

De 2017 a 2018, um florescimento do organismo da maré vermelha Karenia brevis na costa do sudoeste da Flórida tornou as águas um vermelho escuro e envenenou incontáveis peixes, aves marinhas e mamíferos marinhos expostos às suas toxinas, que podem ser ingeridas e inaladas.

Em humanos, essas toxinas podem causar sintomas que variam de irritação respiratória a efeitos gastrointestinais e neurológicos.

Na Amazônia

A descoberta sobre o papel do Saara na saúde do solo da Amazônia é apenas um ponto de dados em pesquisas que refletem sobre o quadro mais amplo. Os cientistas estão tentando entender melhor como a poeira afeta o clima local e global.

“Sabemos que a poeira é muito importante em muitos aspectos. É um componente essencial do sistema terrestre. A poeira afetará o clima e, ao mesmo tempo, as mudanças climáticas afetarão a poeira”, disse o autor principal do estudo, Hongbin Yu.

Estima-se que, por ano, cerca de 27,7 mil toneladas de fósforo chegam na Amazônia. A saber, o fósforo é essencial para o desenvolvimento das plantas, árvores e demais vegetações. – sim, ele é um nutriente.

Essa quantidade de fósforo, de acordo com o estudo, é suficiente para suprir as necessidades nutricionais que a floresta amazônica perde com as fortes chuvas e inundações na região.

Impactos climáticos

A poeira do Saara também pode afetar o clima. Se se misturar com chuvas ou tempestades, especialmente na vizinha Europa, pode desencadear eventos de “chuva de sangue” – chuva tingida de vermelho que resulta quando as gotas de chuva se condensam em grãos de poeira cor de ferrugem.

As condições secas e ventosas associadas ao SAL também suprimem a atividade dos furacões. Não apenas o ar SAL contém metade da umidade necessária para os ciclones tropicais, mas seu forte cisalhamento vertical do vento pode literalmente explodir a estrutura de uma tempestade.

As temperaturas da superfície do mar dentro da esteira de uma nuvem de poeira também podem ser muito baixas – até 1,8 graus F mais baixas do que o normal – para fortalecer a tempestade, uma vez que a poeira atua como um escudo, refletindo a luz do sol para longe da superfície da Terra.

A poeira do Saara não apenas reflete mais luz do sol, mas também a espalha mais. Isso leva a amanheceres e entardeceres espetaculares, pois quanto mais moléculas houver para espalhar as ondas de luz violeta e azul para longe de nossos olhos, mais não adulteradas (e, portanto, mais vivas) serão as ondas de luz vermelha e laranja que normalmente vemos pela manhã e os céus noturnos serão.

Não deixe de ler também: Geografia: 3 desertos incríveis da África

Avalie o Texto.

Veja o que é sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.