Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Obras emergenciais em apartamento não podem ser multadas

Condomínio residencial deve declarar irregulares as notificações e multa encaminhadas à proprietária de imóvel que realizou obras emergenciais em seu apartamento durante o período da pandemia.

A decisão é do juiz do 7º Juizado Especial Cível de Brasília/DF.

Obras emergenciais

Conforme constante dos autos, a autora, proprietária do apartamento, realizou obras emergenciais em sua unidade na vigência da pandemia, sendo notificada, no dia 25/06/2020, para que cessasse a obra.

O argumento para tal ordem foi devido à não autorização da síndica para o início da obra, ação que ia de encontro aos termos do Regimento Interno.

A autora apresentou recurso à advertência, porém não obteve resposta.

Entretanto, recebeu uma segunda notificação, já com a aplicação de multa.

Diante disso, a requerente alegou que a síndica a expôs aos demais condôminos, no grupo de WhatsApp do condomínio, e pleiteou a declaração de nulidade das notificações e da multa, bem como a condenação a indenização de ordem moral.

Em sua defesa, a administração do condomínio sustentou a regularidade das notificações, bem como a aplicação da multa.

Ao final, pugnou pela improcedência dos pedidos da proprietária.

Laudo

Na análise da situação,o juízo constatou que a obra foi iniciada e concluída durante o período da pandemia, e o inquilino já está morando no imóvel que passou por obras.

Segundo o juiz, o cerne da questão está em verificar se a obra realizada era de natureza emergencial ou não.

A primeira notificação encaminhada à autora pelo condomínio aponta a violação da Convenção Condominial e do Regimento Interno por ausência de autorização para início da obra.

No entanto, as fotos e o laudo anexados comprovam que não houve alteração ou modificação das divisões internas do imóvel, e sim, troca de revestimentos devido a afofamento e infiltrações, além de reparos na parte elétrica do imóvel, a fim de evitar sobrecarga nos disjuntores e danificação do sistema elétrico.

O laudo apresentado apontou grau de risco crítico nesses pontos, o que, para o magistrado, “demonstra a necessidade emergencial dos reparos realizados com a finalidade repor as condições de habitabilidade ao imóvel e garantir segurança a quem morar”.

Acesse Agora as Principais Notícias no Brasil e fique atualizado

Irregularidade das notificações

Uma vez que a parte ré não se desincumbiu em provar que os reparos não foram de natureza emergencial, ou realizados fora do horários permitidos, ou ainda sem a atenção aos procedimentos de segurança para prevenir a disseminação do Covid-19, o juiz concluiu que as notificações se demonstram irregulares e, portanto, a multa aplicada foi indevida.

Negou, porém, existência de danos morais, pois “postar a notificação extrajudicial no grupo de WhatsApp, por si só, não é capaz de colocar a autora em situação vexatória ou o expor a constrangimento, até porque a síndica deve prestar contas de seus atos à coletividade do condomínio”.

Diante disso, o magistrado julgou parcialmente procedentes os pedidos da proprietária somente para declarar a irregularidade das notificações pelos motivos acima expostos e, consequentemente, a multa aplicada.

Cabe recurso.

PJe: 0724612-43.2020.8.07.0016

Fote: TJDFT

Leia Também:

1 comentário
  1. Jany Diz

    Bem interessante este caso!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?