Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Grupo de comunicação é condenado por associar injustamente uma modelo ao tráfico de drogas

A 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), em decisão unânime, reformou a sentença de primeira instância e condenou um Grupo de Comunicação, ao pagamento de indenização a uma modelo que foi associada, injustamente, de fazer parte de um esquema de tráfico internacional de drogas.

A empresa de comunicação, por meio de reportagens na TV e no site, associou, injustamente, a mulher a um esquema criminoso, e, em consequência disso deverá indenizá-la em R$ 15 mil por danos morais.

Se acordo com o apurado nos autos, a mulher, que exercia a profissão de modelo, nada tinha a ver com o crime. A confusão ocorreu em Florianópolis (SC), em setembro de 2013.

Entenda  o caso

A vítima foi até a casa do namorado e, ao chegar lá, deparou-se com policiais civis. Assim, ela e o namorado foram levados à Diretoria Estadual de Investigação Criminal (Deic), sob suspeita de tráfico. Entretanto, algum tempo depois, a autoridade policial constatou que a autora não havia cometido qualquer crime e a liberou.

Em consequência disso, de acordo com a vítima, a repercussão da matéria teve grandes proporções e a prejudicou, inclusive, em sua carreira de modelo. 

Calúnia

Desse modo, a autora ingressou na Justiça e requereu a condenação da empresa de comunicação, pela situação de exposição vexatória e injusta, ainda mais como suposta traficante. Diante disso, o advogado da modelo registrou: “a reportagem não apenas narrou os fatos, ‘animus narrandi’ ou teceu críticas prudentes, ‘animus criticand’, porém imputou a apelante a prática de crime de tráfico de drogas perante toda a sociedade, sem qualquer fundamentação ou provas de suas alegações, caracterizando verdadeira violação à honra e imagem da pessoa”.

Direito de informação

Por outro lado, a empresa sustentou que exerceu seu direito de informação, sem abusos ou ainda indícios que agiu com culpa ou dolo com o objetivo de agredir moralmente a mulher. “A autora aparece por ínfimo período de tempo na reportagem veiculada e sequer houve divulgação de seu nome”, alegou. 

Além disso, completou alegando que  “a imagem foi obtida em local público e somente relatou o acontecimento jornalístico”. 

Diante disso, o juízo de primeira instância entendeu pela improcedência dos pedidos da autora, motivo pelo qual ela interpôs recurso de apelação junto ao TJSC.

Direitos fundamentais

No Tribunal, o desembargador Selso de Oliveira, relator da apelação, entendeu que o direito fundamental à liberdade de expressão deve ser relativizado quando em conflito com outros direitos fundamentais, a exemplo da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem das pessoas, sobre os quais a Constituição Federal assegura o direito à indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação.

Prejuízo moral

De acordo com o magistrado, impõe-se ao bom jornalismo checar, ao menos minimamente, as informações que pretende noticiar e buscar preservar, ao máximo, a dignidade da pessoa humana. Na avaliação do magistrado, houve um evidente prejuízo moral. Nesse sentido, o magistrado ponderou que o recurso de distorção de imagem poderia ter sido utilizado, mas não foi.

Ato ilícito

Além disso, o relator explicou que no convívio social, a pessoa conquista bens e valores que formam o acervo tutelado pela ordem jurídica. Alguns deles se referem ao patrimônio e outros à própria personalidade humana, como atributos essenciais e indisponíveis da pessoa. “É direito seu, portanto, manter livre de ataques ou moléstias de outrem os bens que constituem seu patrimônio, assim como preservar a incolumidade de sua personalidade”, registrou em seu voto e prosseguiu: “é (…) ilícito, por conseguinte, todo ato praticado por terceiro que venha refletir, danosamente, sobre o patrimônio da vítima ou sobre o aspecto peculiar do homem como ser moral”. 

Por essa razão, o relator determinou o valor da indenização em R$ 15 mil, na fluência dos juros de mora tendo como termo inicial a data do evento danoso, o que significa que a vítima receberá uma quantia bem maior. 

O voto do desembargador-relator foi acompanhado, por unanimidade, pelos demais membros do órgão colegiado.

(Apelação Cível n? 0310052-79.2014.8.24.0023)

Fonte: TJSC

Veja mais informações e notícias sobre o mundo jurídico AQUI

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.