Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Copasa deverá indenizar usuários que tiveram casa inundada por esgoto

O juiz Antônio Carlos Braga, da 2ª Vara Cível da comarca de Conselheiro Lafaiete (MG), condenou a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) a indenizar um casal do município no valor de R$ 40 mil por danos morais suportados em razão de ter a casa invadida por esgoto por diversas vezes em um período de dois anos.

Do mesmo modo, a empresa deverá a compensar os moradores pelos danos materiais causados, como as sucessivas despesas com limpeza e desinfecção até danos estruturais ao imóvel.

Entenda o caso

De acordo com os autos do processo, o casal já vivencia o problema desde outubro de 2014, devido ao funcionamento de uma estação de elevação de esgoto do Bairro Morada do Sol, localizada atrás do imóvel.

Assim, desde a primeira ocorrência, quando o imóvel foi invadido pela água de esgoto e detritos, o casal entrou em contato com o atendimento da companhia, que enviou técnicos para averiguar o problema. O diagnóstico da empresa constatou defeito na bomba de sucção da estação de tratamento do esgoto.

Ação indenizatória

O casal sustentou, e comprovou por meio de mais de uma dezena de protocolos de atendimento, que a situação se repetiu por várias vezes. Em uma das ocasiões, inclusive, a situação aconteceu no período natalino. Da mesma forma, os moradores foram surpreendidos em outras ocasiões, durante a madrugada, e até mais de uma vez no mesmo dia.

Diante da situação duradoura, os moradores ajuizaram a ação de indenização sob o argumento de riscos de contaminação e também em razão dos danos causados ao imóvel, bem como o constrangimento de ter suportado o convívio com a invasão do esgoto na residência e no bairro, contendo detritos e restos de animais.

Vandalismo

Por sua vez, a Copasa não negou os eventos, entretanto atribuiu os problemas com na estação estação de tratamento de esgoto ao vandalismo e a vazamentos da rede pluvial, de responsabilidade da prefeitura do município.

Medida liminar

No juiz de primeira instância, no início do processo, o juiz deferiu liminar determinando construção de uma barragem de contenção para evitar que problemas nas bombas de sucção ou transbordo da caixa de elevação ocasionassem o vazamento do esgoto.

Nesse sentido, o juiz Antônio Carlos Braga ponderou o descaso da empresa, que não enviou representante para audiência de conciliação. Assim, ao deferir a liminar, o juiz destacou também sua atuação durante 27 anos na área de engenharia e, em especial, em instalações de bombeamento.

Perícia técnica

No decorrer do processo, o casal informou o descumprimento da liminar e ainda noticiou novo evento de invasão de esgoto na casa, o que motivou o juiz a determinar que a companhia realizasse a sucção no local duas vezes ao dia. Além disso, determinou a realização de perícia técnica, que constatou os diversos danos causados ao imóvel.

Dever de indenizar

Assim, ao proferir a sentença, o magistrado ressaltou “as agruras” sofridas pelo casal por mais de quatro anos. “Evidentemente, tal situação lhes ocasiona extremo constrangimento e sensações de patente degradação e impotência”, declarou.

Do mesmo modo, o magistrado destacou que as diversas ocorrências de vazamento provocaram a perda de horta cultivada, desvalorização do imóvel e danos materiais diversos, constatados pelo laudo pericial, que ensejam o dever de indenizar por parte da companhia de saneamento.

(Processo nº 5001756-96.2016.8.13.0183)

Fonte: TJMG

Veja mais informações e notícias sobre o mundo jurídico AQUI

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.