ACABOU DE SAIR! Ótima Notícia para quem tem Empréstimo Consignado

O Conselho Nacional da Previdência Social (CNPS) decidiu reduzir novamente o teto dos juros dos empréstimos consignados para aposentados e pensionistas do INSS. A redução já estava sendo anunciada pelo conselho, mas o tema vem causando polêmica entre o Governo Federal e os bancos do país.

Enquanto o Ministério da Previdência Social está se mostrando satisfeito com a redução do teto de juros do consignado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), as instituições bancárias são contrárias a essa decisão. Em resumo, esse embate pode afetar milhares de pessoas que utilizam os serviços de empréstimo dos bancos.

Com a decisão tomada pelo CNPS, o teto dos juros caiu de 1,91% para 1,84% ao mês. A expectativa é que a publicação da resolução no Diário Oficial da União (DOU) ocorra na próxima segunda-feira (16). Assim, as novas taxas vão entrar em vigor no Brasil dentro de cinco dias úteis a partir da publicação.

Além disso, o CNPS também reduziu a taxa para a modalidade de cartão de crédito. Nesse caso, o limite dos juros passou de 2,83% para 2,73%.

Redução dos juros é justificada por corte da Selic

Vale destacar que o Ministério da Previdência Social havia proposto essa redução, usando como justificativa o corte de 0,5 ponto percentual da taxa Selic, a taxa básica de juro da economia brasileira, no último dia 20 de setembro, pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC).

De acordo com a pasta, o teto de juros do consignado do INSS deve cair proporcionalmente à redução da Selic. A propósito, a taxa corresponde ao consignado convencional, que tem desconto na folha de pagamento do beneficiário.

Governo já havia reduzido o teto dos juros

Em meados de agosto, o CNPS aprovou a redução da taxa máxima de juros dos empréstimos consignados para aposentados e pensionistas do INSS. Em suma, o teto dos juros caiu de 1,97% para 1,91% ao mês.

Naquela ocasião, também houve redução da taxa para a modalidade de cartão de crédito. Nesse caso, o limite dos juros vai passar de 2,89% para 2,83%.

O governo federal submeteu a proposta de redução da taxa máxima dos juros ao CNPS com o objetivo de aliviar o bolso dos aposentados e pensionistas do INSS. Dessa forma, os beneficiários conseguiram pagar uma parcela um pouco menor dos empréstimos que tiverem feito.

Teto dos juros do empréstimo consignado do INSS tem nova redução
Teto dos juros do empréstimo consignado do INSS tem nova redução. Imagem: Agência Brasil.

Nova redução dos juros havia sido anunciada

Em agosto, o ministro da Previdência Social, Carlos Lupi, afirmou que o governo federal poderia submeter novas propostas de redução dos juros caso o Copom continuasse reduzindo a taxa Selic. E foi justamente o que aconteceu em setembro, quando o Copom reduziu novamente a taxa de juros no Brasil, para 12,75% ao ano.

Em se confirmando o cenário esperado, os membros do Comitê, unanimemente, anteveem redução de mesma magnitude nas próximas reuniões e avaliam que esse é o ritmo apropriado para manter a política monetária contracionista necessária para o processo desinflacionário“, informou o Copom, após a redução dos juros.

Isso quer dizer que os juros no Brasil devem cair ainda mais até o final deste ano, e o governo vem se mostrando dispostos a promover essas reduções para o teto dos juros dos empréstimos consignados do INSS. Contudo, os bancos não estão nem um pouco felizes com essa decisão.

Antecedentes da decisão

Em março deste ano, o CNPS já tinha decidido reduzir o teto dos juros do consignado convencional para beneficiários do INSS de 2,14% para 1,70%. No entanto, a decisão foi muito polêmica e gerou um impasse com os bancos.

Vários bancos suspenderam temporariamente a oferta do crédito, incluindo o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal, alegando que a taxa era muito baixa para a manutenção da modalidade de empréstimo. Da mesma forma, bancos privados também tomaram essa decisão, afirmando que as taxas não conseguiriam cobrir os custos da operação.

Para que ambos os lados fossem beneficiados, dos bancos e dos aposentados e pensionistas do INSS, o CNPS optou pelo meio termo e reduziu o teto de juros para 1,97%.

Em agosto, com os juros limitados a 1,91%, os bancos públicos aprovaram a decisão, mas as instituições privadas continuaram fazendo várias críticas.

Agora, com mais uma redução, agora para 1,84%, o mercado está atento para saber o que os bancos irão fazer. Há a possibilidade de nova suspensão da oferta de crédito, mas ainda não há informações confirmadas pelos bancos até então.

Bancos podem suspender empréstimos consignados

Em resumo, a decisão do CNPS em agosto provocou diversas críticas dos bancos. Contudo, a oferta dos empréstimos consignados para aposentados e pensionistas do INSS continuou acontecendo no país, visto que as instituições bancárias não suspenderam os serviços, apesar dos alertas de que isso poderia acontecer.

Contudo, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) alertou o governo federal sobre a possibilidade de suspensão dos serviços caso os juros caísses novamente. De acordo com a entidade, as instituições poderiam reduzir a oferta do serviço ou até mesmo paralisar as concessões caso ocorressem novas reduções do teto de juros sem debate técnico.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.