Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Proprietários de área rural são condenados por reter água do córrego de Paracatu

O juiz da 2ª Vara Cível de Paracatu (MG), Fernando Lino dos Reis, decidiu que os  dois proprietários da propriedade rural, responsáveis pela construção da barragem, deverão suspender a captação de água no local, sem a devida autorização de órgão competente, e não poderão realizar barramentos no Córrego da Conceição sem a devida licença ambiental, sob pena de multa de R$ 1 milhão.

A barragem artificial de água construída pelos dois proprietários de um imóvel rural de Paracatu causou danos ambientais e afetou o ecossistema ribeirinho.

Liquidação de sentença

Do mesmo modo, os proprietários foram condenados a pagar, em conjunto, uma indenização pelos danos causados em 15 hectares de gleba, em valor a ser apurado na fase de liquidação de sentença. O valor será revertido ao Fundo Especial do Ministério Público (Funemp).

Barragem artificial

De acordo com o juiz, foi possível perceber que, “por atitude unilateral dos réus, eles construíram barragens artificiais ao longo do Córrego da Conceição, com o intuito fomentar suas atividades, entretanto, em detrimento dos demais usuários do córrego e, consequentemente, do próprio meio ambiente”. O objetivo da intervenção era obter grande quantidade de água para irrigação. 

Laudo pericial

De acordo com o Ministério Público (MP), a intenção dos réus era potencializar as águas dormentes do local conhecido como Lagoão. Além disso, o MP afirmou que, durante a vistoria da perícia, foi verificada a interrupção de 100% do corpo d’água, o que provocou seu secamento à jusante (acima).

Assim, o laudo pericial confirmou que, como o “limite disponível já é algo preestabelecido, se ocorrerem saques de água individuais e desautorizados, aumenta-se o consumo da fração permitida, diminuindo, então, a capacidade hídrica da bacia em um contexto geral”.

Alegações da defesa

Por sua vez, a defesa dos réus sustentou que o barramento era regular, e que a construção da barragem de irrigação foi precedida de autorização por órgão competente e que a estrutura respeita os limites mínimos de vazão impostos por lei.

Irregularidade da intervenção

No entanto, na avaliação do julgador, apesar de a perícia ter identificado que a área afetada está em estágio equilibrado de recuperação, por ação da natureza, “é inconteste reconhecer pela irregularidade da intervenção realizada pelos réus, com a finalidade de reter, às margens da lei, volume de água superior ao deferido pelo órgão ambiental competente”. 

Dever de indenizar

Além disso, a recuperação natural da área não aconteceu por ação dos réus, o que os obriga ao dever de indenizar. “Dado contrário, bastaria ao agressor ambiental, autuado, protelar ao máximo os processos dando tempo à natureza para se recuperar, ficando impune pela tese de que houve recuperação da área degradada”, afirmou. 

De acordo com o magistrado, ainda que se comprovasse a autorização para intervenção ambiental, com a finalidade de construir, reformar ou ampliar barragens nos córregos e nas lagoas da área rural do Lagoão, é importante frisar que em nenhuma hipótese é permitido ao usuário o uso exclusivo das águas.

(Processo nº 5000238-15.2018.8.13.0470)

Fonte: TJMG

Veja mais informações e notícias sobre o mundo jurídico AQUI

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.