IFMILHO B3: índice de controle de riscos de oscilação de preço dessa commodity

O IFMILHO B3 é um índice de controle de riscos de oscilação de preço dessa commodity. Saiba mais detalhes!

A Bolsa de Valores do Brasil (B3) anuncia a criação de um índice que irá acompanhar o desempenho dos contratos futuros de milho (CCM): o Índice Futuro de Milho B3 (IFMILHO B3).

IFMILHO B3: índice de controle de riscos de oscilação de preço dessa commodity

De acordo com a divulgação oficial, o milho é usado pela indústria na fabricação de produtos como o óleo vegetal, a farinha, o farelo, o fubá e cremes para o setor alimentício. Como o Brasil conta com diferentes locais de cultivo, a produção garante a oferta em boa parte do ano. No entanto, grande parte das negociações acontece nos períodos de safra e entressafra, destaca o Bolsa de Valores do Brasil (B3).

Gestão de risco

Assim, o contrato futuro de Milho (CCM) foi desenvolvido para dar aos participantes do mercado uma ferramenta para a gestão do risco de oscilação de preço dessa commodity, permitindo que eles prevejam antecipadamente quanto irão receber pela produção, ressalta a Bolsa de Valores do Brasil (B3).

O Índice Futuro de Milho B3 (IFMILHO B3) é o resultado de uma carteira teórica de contratos futuros de Milho (CCM). Dessa forma, o indicador refletirá a variação do preço da commodity.

Composição, metodologia e ponderação

O objetivo do IFMILHO Bolsa de Valores do Brasil (B3) é ser o indicador de retorno total de uma carteira teórica composta por Contratos Futuros de Milho (CCM). Como cada um desses contratos tem duração de dois meses, opera-se a rolagem do contrato atual para o contrato de vencimento subsequente no final de cada bimestre, ressalta a Bolsa de Valores do Brasil (B3).

O índice será calculado diariamente, com base no preço de ajuste dos contratos, explica o Bolsa de Valores do Brasil (B3). Durante cinco pregões anteriores ao vencimento do contrato vigente, a partir do 9º dia útil anterior, será criada uma cesta, na qual o preço do índice será uma média ponderada entre a variação do preço do contrato vigente e o preço do contrato com vencimento imediatamente subsequente.

Considerando essa metodologia, uma simulação afirma qual teria sido o retorno anualizado do IFMILHO Bolsa de Valores do Brasil (B3) a partir de 2017. Se o indicador tivesse existido desde então, teria acumulado uma variação anualizada positiva de 28,63%. Esse resultado é 7,63 pontos percentuais superior à rentabilidade do ICB (Índice de Commodities Brasil) no mesmo período.

A Bolsa de Valores do Brasil (B3) e o agronegócio

A criação do IFMILHO B3 é mais uma das iniciativas da Bolsa de Valores do Brasil (B3) que impulsionam o agronegócio, conectando o setor e os investidores a produtos e serviços que protegem e financiam um segmento tão relevante para a economia brasileira.

Nesse sentido, a bolsa do Brasil oferece um ambiente para listagem das companhias do agronegócio, para captação de recursos via ofertas de ações (IPOs e follow-ons); registro de produtos que auxiliam os produtores rurais e toda a cadeia no financiamento da produção agrícola, com a CPR, a CPR Verde, o CRA e a LCA; além dos contratos futuros e operações de hedge para seguro de preços de milho, boi, café e soja, de acordo com a Bolsa de Valores do Brasil (B3).

Com a listagem dos Fiagros, fundos de investimento nas cadeias produtivas agroindustriais, no final de 2021, os investidores passaram a ter mais uma opção de aplicar seus recursos em um produto atrelado ao agronegócio, de acordo com a informação oficial.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.