Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Homem que perdeu a visão em decorrência de erro médico será indenizado

Roberto Lepper, magistrado da 2ª Vara da Fazenda Pública de Joinville/SC, condenou o Estado de Santa Catarina e o Município ao pagamento de indenização de R$ 40mil, a título de danos morais, em favor de um homem que perdeu definitivamente a visão de um dos olhos por não ter realizado cirurgia pelo sistema público de saúde em tempo hábil.

Além disso, a vítima fará jus ao recebimento de pensão mensal no valor de pouco mais do que um salário mínimo, cumulada de juros de mora a contar da data do evento danoso.

Responsabilidade civil

Consta nos autos que o morador de Joinville começou a apresentar dificuldades para enxergar com o olho direito em setembro de 2001, razão pela qual se consultou com médico especializado em oftalmologia.

Nesta oportunidade, o profissional constatou que o quadro de saúde do homem era grave e, com efeito, prescreveu uma recomendação para que ele fosse submetido com urgência a uma cirurgia oftalmológica.

Diante disso, o ele contatou a Secretaria Municipal de Saúde de Joinville/SC e apresentou o diagnóstico do médico.

Assim, o procedimento cirúrgico foi marcado para ser realizado em dois meses no Hospital Regional do Município de São José/SC, no entanto, a cirurgia foi cancelada porque o hospital não possuía os equipamentos necessários.

Somente em julho de 2002 a intervenção cirúrgica foi reagendada, contudo, neste ínterim, o homem sofreu considerável piora em seu quadro de saúde, culminando em cegueira irreversível no olho direito.

Danos morais e pensão

Ao ajuizar uma demanda indenizatória, o homem juntou um laudo pericial no qual uma médica especialista no assunto esclareceu que o deslocamento de retina é compreendido como urgência oftalmológica e que, uma vez constatada essa situação, o paciente deve ser submetido a procedimento cirúrgico com a maior urgência possível.

Para o juízo de origem, restou evidenciado que, em decorrência da demora para realizar a cirurgia, o homem perdeu definitivamente a visão do olho direito e, diante disso, condenou o Estado e o Município a indenizá-lo pelos danos experimentados.

Fonte: TJSC

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.