Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Estudo da Visa aponta Brasil como um mercado promissor para criptomoedas

O estudo descobriu que a maioria dos consumidores curiosos e engajados com as criptomoedas no Brasil as consideram a nova forma de investir 

De acordo com um novo estudo da Visa, traduzido como “O fenômeno cripto: atitudes e usos do consumidor”, as criptomoedas e outras moedas digitais estão se tornando parte da consciência popular e têm tudo para crescer, especialmente nos mercados emergentes. Realizado em parceria com a LRW, o estudo revela que praticamente quase todos os brasileiros pesquisados (97%) conhecem as criptomoedas, sendo um mercado promissor para o ativo.

LEIA MAIS: Deepfakes, criptomoeda e fake news: os alvos do cibercrime para 2022

O interessante é que cerca de um terço dos pesquisados estão diretamente engajados com as mesmas, seja como meio de investimento (proprietários passivos) ou para fazer transações comerciais e enviar/receber dinheiro (proprietários ativos). O estudo também concluiu que há quase duas vezes mais proprietários ativos do que passivos e que os dois grupos são compostos principalmente por homens da geração millennial. 

Embora a adoção de criptomoedas ainda esteja nos estágios iniciais, ela é significativa e está em franco crescimento no Brasil. Os resultados mostram que, de todos os países que participaram da pesquisa, o Brasil é o mercado mais interessado, contando com o maior percentual de adultos curiosos (29%), ou seja, indivíduos que veem as criptomoedas com bons olhos e têm maior intenção de entrar nesse mercado. 

Além disso, os consumidores engajados estão altamente interessados em comprar ainda mais criptomoedas para fins de investimento nos próximos 12 meses. Eles acreditam que elas serão amplamente usadas para comprar produtos e enviar dinheiro nos próximos cinco a dez anos. 

O que está motivando o engajamento com as criptomoedas? 

A pesquisa da Visa também revela que os brasileiros pesquisados têm uma percepção amplamente positiva das criptomoedas, mais um ponto que coloca o País como um mercado promissor. A maioria dos proprietários ativos e passivos (80% e 81%, respectivamente), bem como os consumidores curiosos (77%), consideram as criptomoedas uma inovação nas finanças. A maioria também concorda que elas se tornarão algo comum em 10 anos e, em cinco anos, serão uma ferramenta útil para enviar dinheiro a amigos e familiares. 

Proprietários ativos também consideram mais vantajoso investir em criptomoedas do que em ações (71%) e, de modo geral, os consumidores engajados as veem como uma forma de construir um patrimônio e diversificar seus portfólios. Só 8% dos pesquisados disseram ter se informado sobre criptomoedas, mas não as veem com bons olhos. 

A pesquisa concluiu também que os proprietários ativos e passivos de criptomoedas citam a instabilidade e o fato de não terem dinheiro suficiente como os principais impeditivos para serem mais ativos e engajados com a moeda, enquanto os pesquisados que não têm criptomoedas citam a falta de conhecimento (60%) e de fundos (51%), além do risco de instabilidade como as principais barreiras ao engajamento. 

Entretanto, os brasileiros ativos e passivos que já têm criptomoedas são os que têm maior probabilidade de serem motivados a participar desse mercado, pois as consideram o meio financeiro do futuro (38% e 44%) e uma forma de construir um patrimônio (35% e 44%). Da mesma forma, os consumidores curiosos a respeito das criptomoedas são os com maior probabilidade de serem motivados, pois consideram as criptomoedas o futuro dos serviços financeiros e um meio de construir riqueza (44%). 

Nível da renda está relacionado a investimentos em criptomoedas 

Em alguns mercados pesquisados, os adultos mais ricos tendem a ser mais propensos a se engajar com as criptomoedas. A renda não é um fator universalmente preponderante, mas há tendências no Brasil em que o engajamento está correlacionado ao nível socioeconômico ou de renda, o que pode ser um ponto negativo para o Brasil ser um mercado promissor de criptomoedas. O engajamento com as criptomoedas também é inversamente proporcional à idade. Os consumidores mais engajados tendem a ser mais jovens, enquanto os desengajados ou menos engajados tendem a ser mais velhos. 

O estudo também mostra que o Bitcoin é conhecido por praticamente todos os brasileiros pesquisados e cerca de um quarto das pessoas que conhecem as criptomoedas tem esse ativo. Entretanto, a maioria dos proprietários ativos e passivos têm interesse em stablecoins, visto que há uma forte preferência por essas moedas como meio de poupança, se comparado ao dinheiro. Além disso, os consumidores engajados estão altamente interessados em recompensas ou cartões que possibilitem o uso de criptomoedas.

Avalie o Texto.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.