Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Coreia do Norte: Entenda a história desse misterioso país

A República Popular Democrática da Coreia, comumente conhecida como Coreia do Norte, é uma das nações mais comentadas, mas menos compreendidas do planeta.

É um país recluso, isolado até mesmo de seus vizinhos mais próximos por diferenças ideológicas e pela paranoia de sua liderança. Desenvolveu armas nucleares em 2006.

Separada da metade sul da península há mais de seis décadas, a Coreia do Norte evoluiu para um estranho estado stalinista. A família governante Kim exerce controle por meio do medo e dos cultos à personalidade.

As duas metades da Coreia podem ser colocadas juntas novamente? Só o tempo irá dizer.

Conheça a seguir

História da Coreia do Norte

Quando o Japão perdeu a Segunda Guerra Mundial em 1945, também perdeu a Coreia, anexada ao Império Japonês em 1910.

A ONU dividiu a administração da península entre duas das potências aliadas vitoriosas. Acima do paralelo 38, a URSS assumiu o controle, enquanto os EUA passaram a administrar a metade sul.

A URSS fomentou um governo comunista pró-soviético com base em Pyongyang, depois retirou-se em 1948. O líder militar da Coreia do Norte, Kim Il-sung, queria invadir a Coreia do Sul naquele ponto e unir o país sob uma bandeira comunista, mas Joseph Stalin se recusou a apóie a ideia.

Em 1950, a situação regional mudou. A guerra civil da China terminou com a vitória do Exército Vermelho de Mao Tsé-tung, e Mao concordou em enviar apoio militar à Coréia do Norte se ela invadisse o Sul capitalista. Os soviéticos deram a Kim Il-sung luz verde para a invasão.

A guerra coreana

Em 25 de junho de 1950, a Coreia do Norte lançou uma feroz barragem de artilharia através da fronteira com a Coréia do Sul, seguida horas depois por cerca de 230.000 soldados. Os norte-coreanos rapidamente tomaram a capital do sul, Seul, e começaram a empurrar para o sul.

Dois dias depois do início da guerra, o presidente dos Estados Unidos, Truman, ordenou que as forças armadas americanas ajudassem os militares sul-coreanos. O Conselho de Segurança da ONU aprovou a assistência dos Estados-membros ao Sul, apesar da objeção do representante soviético; no final, mais doze nações juntaram-se aos EUA e à Coreia do Sul na coalizão da ONU.

Apesar dessa ajuda ao Sul, a guerra correu muito bem para o Norte no início. Na verdade, as forças comunistas capturaram quase toda a península nos primeiros dois meses de combate; em agosto, os defensores estavam cercados na cidade de Busan, na ponta sudeste da Coreia do Sul.

O exército norte-coreano não foi capaz de romper o perímetro de Busan, entretanto, mesmo após um sólido mês de batalha. Lentamente, a maré começou a virar contra o Norte.

Em setembro e outubro de 1950, as forças da Coreia do Sul e da ONU empurraram os norte-coreanos por todo o caminho de volta através do Paralelo 38, e ao norte, até a fronteira chinesa. Isso foi demais para Mao, que ordenou que suas tropas entrassem na batalha ao lado da Coréia do Norte.

Após três anos de combates acirrados e cerca de 4 milhões de soldados e civis mortos, a Guerra da Coréia terminou em um impasse com o acordo de cessar-fogo de 27 de julho de 1953. Os dois lados nunca assinaram um tratado de paz; eles permanecem separados por uma zona desmilitarizada (DMZ) de 2,5 milhas de largura.

O norte pós-guerra

Após a guerra, o governo da Coreia do Norte se concentrou na industrialização enquanto reconstruía o país dilacerado pela batalha. Como presidente, Kim Il-sung pregou a ideia do Juche, ou “autossuficiência”. O país se tornaria forte produzindo todos os seus próprios alimentos, tecnologia e necessidades domésticas, em vez de importar bens do exterior.

Durante a década de 1960, a Coreia do Norte foi pega no meio da divisão sino-soviética. Embora Kim Il-sung esperasse permanecer neutro e jogar os dois poderes maiores um do outro, os soviéticos concluíram que ele favorecia os chineses. Eles cortaram a ajuda à Coreia do Norte.

Durante a década de 1970, a economia da Coreia do Norte começou a falhar. Não tem reservas de petróleo e o aumento do preço do petróleo deixou-o extremamente endividado. A Coreia do Norte deixou de pagar sua dívida em 1980.

Kim Il-sung morreu em 1994 e foi sucedido por seu filho Kim Jong-il. Entre 1996 e 1999, o país sofreu uma fome que matou entre 600.000 e 900.000 pessoas.

Hoje, a Coréia do Norte contou com ajuda alimentar internacional até 2009, mesmo quando despejou recursos escassos nas forças armadas. A produção agrícola melhorou desde 2009, mas a desnutrição e as más condições de vida continuam.

A Coreia do Norte evidentemente testou sua primeira arma nuclear em 9 de outubro de 2006. Ela continua a desenvolver seu arsenal nuclear e conduziu testes em 2013 e 2016.

Em 17 de dezembro de 2011, Kim Jong-il morreu e foi sucedido por seu terceiro filho, Kim Jong-un.

E então, gostou de conhecer mais sobre a Coreia do Norte?

Outro artigo mostra mais sobre o oriente do mundo: Como funciona o sistema de educação na China?

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.