Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Acusados de formar quadrilha de roubo de cargas são condenados

Por unanimidade, a Segunda Seção Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios rejeitou recurso interposto para manter a sentença proferida pelo magistrado da 2ª Vara Criminal de Santa Maria/DF, que condenou nove indivíduos pela formação de uma associação criminosa destinada a roubar cargas.

Organização criminosa

De acordo com a denúncia oferecida pelo Ministério Público do DF, os réus instituíram uma facção criminosa com modo de funcionamento próprio e atividades individualizadas para cada um dos criminosos.

O ente ministerial sustentou que os acusados atuaram entre janeiro e junho de 2019 em vários lugares no Distrito Federal e, em março daquele ano, utilizando-se de violência por ameaça com arma de fogo, a associação subtraiu 7.625 carteiras de cigarro, 22 pacotes de fumo e 11 caixas de papel trevo de uma empresa enquanto o carregamento estava sendo entregue em um bar.

Ademais, o MPDFT narrou que, durante os crimes, os réus utilizavam um bloqueador de sinal GPS para impedir a monitoração do veículo e da carga subtraída.

Não obstante, a associação criminosa consta em mais de dez registros de ocorrências policiais alusivas a roubo a carga de cigarros e aparelhos eletrônicos.

Materialidade e autoria

Ao analisar o caso, o juízo de origem consignou que restaram demonstradas no processo a materialidade e a autoria dos crimes de associação criminosa e roubo.

Diante disso, verificou a conduta de cada um dos réus, fixando a pena conforme a participação de cada um.

Inconformados com a decisão, os denunciados recorreram ao TJDFT ao argumento de que inexistem provas para amparar a condenação.

Ademais, os réus pleitearam a minoração das penas aplicadas.

No entanto, a turma colegiada manteve a decisão de primeira instância em todos os seus termos.

Ao fundamentar seu voto, o relator aduziu que, no caso, de acordo com o acervo probatório colacionado nos autos, todos os recorrentes participaram da associação criminosa de alguma forma.

Fonte: TJDFT

Avalie o Texto.

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.