Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

STJ entende que título judicial não pode ser modificado pelo juízo da execução

No julgamento do recurso especial 1861550, interposto pelo Estado em face de acórdão proferido pelo TJDFT, a 2ª Seção do Superior Tribunal de Justiça determinou que não compete ao juízo da execução modificar as orientações do título judicial, mesmo que a finalidade seja adaptá-las a um precedente do STF.

De acordo com entendimento da turma colegiada, é cabível a alteração somente após a desconstituição da coisa julgada.

Precedente do STF

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios ratificou decisão do juízo da execução que, fundamentando-se em precedente do STF, determinou a efetivação de novos cálculos para verificar a incidência dos juros moratórios e da correção monetária.

Com efeito, o STF declarou a inconstitucionalidade do dispositivo legal que dispunha sobre a atualização monetária das condenações cominadas à Fazenda Pública de acordo com a remuneração oficial da caderneta de poupança.

Para o TJDFT, referido modelo de atualização monetária consiste em limitação desproporcional ao direito de propriedade, já que não constitui modo acertado à captura da alteração de valores da economia.

No recurso especial, o Distrito Federal sustentou que, mantendo a decisão que determinou o retorno dos autos à contadoria judicial, o Tribunal de Justiça do Estado violou a atual legislação processual civil, já que deveriam utilizar os critérios de cálculo da decisão transitada em julgado.

Trânsito em julgado

Ao analisar o caso no STJ, o ministro Og Fernandes, relator do caso, arguiu que a declaração de inconstitucionalidade exclui a norma do sistema do direito e, ademais, confere à decisão força impositiva em relação a atos administrativos ou judiciais posteriores.

Segundo alegações do relator, o Supremo Tribunal Federal já consignou o entendimento de que a decretação de inconstitucionalidade não enseja a rescisão automática das decisões anteriores que tenham sido divergentes.

Contudo, para o ministro, o TJDFT destacou o entendimento do STF em relação aos parâmetros determinados em sentença anterior e já transitada em julgado.

Fonte: STJ

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.