Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

5/5 - (3 votes)

Reforma administrativa para ‘valorizar o serviço público’, diz Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a falar sobre a reforma administrativa, para ele a medida serve como oportunidade para “valorizar o serviço público”.

“Reforma administrativa era para valorizar o serviço público. Não seria só fazer uma prova, o servidor seria avaliado. Peço apoio do nosso funcionalismo. Estamos falando da modernização do serviço público. Estamos falando de meritocracia”, defendeu o parlamentar nesta quarta-feira (24), de acordo com o portal Metrópoles.

A fala aconteceu  no 1º Seminário da Corregedoria do Ministério da Economia e no mesmo horário servidores mantinham protesto  em frente ao Anexo 2 da Câmara dos Deputados.

A reforma, por outro lado, não agrada a todos, líderes dos Sindicatos do Fórum Nacional dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe), afirmaram que o movimento deve continuar enquanto o então presidente da Câmara, Arthur Lira, não desista da proposta.

Lira acredita que texto não seja votado neste ano

Lira ainda criticou o governo afirmando um “apoio pálido” a reforma administrativa e que ela não deve ser votada este ano. “Temos basicamente quatro a cinco semanas de votação. Não temos como trazer essa matéria com as discussões como se encontram”, disse Lira, já que o Congresso deve contar com o seu tradicional recesso do final do ano.

O que é a reforma administrativa?

De acordo com o governo,  as mudanças devem ser para beneficiar os servidores acabando com o Regime Jurídico Único dando margem para outros tipos de contratação como cargos típicos de Estado, vínculo de experiência, cargos com prazo indeterminado, cargos com prazo determinado (em substituição à contratação temporária) e cargos de liderança.

Opositores a medida, por outro lado, afirmam que o texto deve abrir espaço para privatização de servidores e acabar com a estabilidade dos servidores. Outra crítica é que servidores com os maiores salários não estariam incluídos no texto e que a qualidade do serviço público poderia ser ainda mais prejudicada com a aprovação do projeto.

Além disso, os concursos públicos poderiam deixar de ser uma regra,  o que é criticado, visto que um possibilidade “apadrinhamento” poderia surgir, principalmente com a terceirização dos serviços.

5/5 - (3 votes)

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

3 Comentários
  1. flavio Diz

    Ditado polular;:PIMENTA NOS OLHOS DOS OUTROS É REFRESCO

  2. Sandra Nascimento Caxico Diz

    Este mês vai ter 400 né porque eu estou precisando muitos pará pagar as coisas e comprar as coisas ok

  3. Nilson silva Diz

    Bolsonaro, esse Guedes está governando para os ricos, os brasileiros humildes estão morrendo de fome. Vocês estão dando munição ao inimigo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.