Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Nos EUA, Paulo Guedes elogia Auxílio Emergencial: “diminuiu pobreza”

Em tour pelos Estados Unidos, Ministro da Economia disse que o Auxílio Emergencial ajudou a diminuir a pobreza no Brasil

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, disse em entrevista nesta quarta-feira (13) que o Auxílio Emergencial do Governo Federal ajudou a tirar milhões de pessoas da situação de pobreza. Ele disse isso durante um evento na cidade de Washington. Ele está fazendo um tour nesta semana pelos Estados Unidos.

“O Brasil gastou duas vezes mais que a média dos países emergentes em assistência social. Foi o maior impacto na pobreza que já tivemos”, disse ele. “Claro que temos que investir em educação e saúde (também). Quanto mais cedo investimos nas pessoas, mais chances de igualdade”, completou o Ministro.

Pesquisas comprovam que o Ministro está correto na sua avaliação. O Auxílio Emergencial, de fato, ajudou a diminuir a pobreza no Brasil em um ritmo não visto na história recente do país. No início dos pagamentos, o Governo Federal chegou a pagar parcelas de R$ 600 que podiam chegar em R$ 1,2 mil a depender da pessoa que estava recebendo o benefício.

Só que ao mesmo tempo em que elogia o projeto, Guedes segue firme na ideia de que não vai prorrogar o programa. Vale lembrar que de acordo com o calendário oficial, o pagamento da última parcela deve acontecer no final deste atual mês de outubro. Estamos portanto às vésperas do seu final.

Em entrevista ainda na última terça-feira (12), Guedes disse que a prorrogação do Auxílio Emergencial só vai acontecer se o país registrar um novo aumento no número de casos de Covid-19. Neste momento, o Brasil vem registrando uma queda acentuada nos números de novas contaminações e novas mortes ocasionadas pela doença.

Plano de Guedes

O plano do Ministro da Economia, Paulo Guedes, é investir pesado no Auxílio Brasil. Esse é o programa que deve substituir o Bolsa Família a partir do próximo mês de novembro. Pelo menos essa é a ideia até aqui.

De acordo com informações de bastidores, os valores médios do programa subiriam dos atuais R$ 189 por mês para cerca de R$ 300. Além disso, o número de usuários também aumentaria de 14,6 milhões para cerca de 17 milhões.

O plano é que o primeiro pagamento esteja disponível dentro de pouco mais de um mês. E esse formato seguiria valendo para o próximo ano normalmente. Pelo menos esse é o plano que o Ministro Paulo Guedes vem traçando.

O que precisa acontecer

No entanto, o caminho para que isso aconteça ainda é longo. De acordo com o próprio Ministro Paulo Guedes, o Congresso Nacional ainda precisa aprovar uma série de textos para que o Auxílio Brasil vire uma realidade.

Um deles, por exemplo, é a PEC dos precatórios. Esse documento está parado na Câmara dos Deputados já há algum tempo. Segundo informações de bastidores, ele deve passar por uma votação em uma comissão da casa no próximo dia 19 deste mês.

O outro texto é a Reforma do Imposto de Renda. Esse documento já passou pela aprovação da Câmara dos Deputados e agora está no Senado Federal. Só que por lá ele está encontrando muita resistência.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.