Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Inflação do aluguel (IGP-M) encerra 2021 com alta de 17,78%

Segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV), o IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) conhecido como “a inflação do aluguel” aumentou 0,87% no mês de dezembro. A divulgação dos dados foi feita nesta quarta-feira (29). Dessa forma, o aumento da inflação foi bem maior que em novembro, que registrou variação de 0,02%.

Nesse sentido, o ano de 2021 acumulou uma alta de 17,78% no índice usado pela grande maioria dos contratos de aluguel para calcular o reajuste da inflação. Já no ano de 2020, o Índice terminou o ano com avanço acumulado de 23,14% no período de 12 meses. O que representa um marcante avanço da inflação durante os anos.

Segundo o economista da FGV, André Braz, a alta foi puxada pelo aumento nos preços da carne e de outros produtos agrícolas. “A maior contribuição para o resultado do IGP-M de dezembro partiu do índice do produtor. O resultado deste mês foi influenciado pela aceleração dos preços de bovinos (11,69%), reflexo da demanda doméstica e da retomada das exportações e, pela aceleração dos preços de safras afetadas por geadas e seca, como café (12,52%) e cana-de-açúcar (2,83%)”, afirmou Braz.

“Os preços da cana-de-açúcar avançaram 57,13% no ano, enquanto o preço do café subiu 152,35%, no mesmo período”, completou André Braz. Nesse contexto, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) subiu 0,95% em dezembro, após queda de 0,29% em novembro.

Em relação à inflação de preços ao consumidor

Em relação à inflação de consumo, conforme o levantamento feito pela FGV, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) variou 0,84% em dezembro, ante 0,93% em novembro. Dessa forma, a queda foi provocada por seis das oito categorias que compõem o índice, sendo que o Transporte representou a maior queda, que foi de 2,93% em novembro para 1,26% em dezembro.

Além disso, outras categorias ainda tiveram variação negativa. Dentre elas estão as categorias de: alimentação (0,74% para 0,54%), comunicação (0,17% para 0,05%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,21% para 0,17%), Despesas Diversas (0,22% para 0,13%) e Vestuário (0,62% para 0,61%). Nesse contexto, o item hortaliças chamou a atenção dentro do grupo Alimentação, por ter variado de 9,88% para -3,07%.

Já em outros grupos, como a Habitação, houve alta de 0,37% para 1,09% em dezembro, puxada pelo item “tarifa de eletricidade”, que foi de 0,12% para 3,11%. Já as passagens aéreas também entraram em destaque ao registrar alta de 11,52% no item em dezembro, após ter variado 1,62% no mês de novembro.

Ademais, outro índice, além da inflação, calculado e divulgado pela FGV é o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), que variou 0,30% em dezembro, ante 0,71% em novembro. Sendo assim, os três grupos componentes do INCC registraram variações na passagem de novembro para dezembro, que são: materiais e Equipamentos (1,23% para 0,48%), serviços (0,49% para 0,57%) e mão-de-obra (0,28% para 0,10%).

Avalie o Texto.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.