Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Horas de deslocamento não são mais consideradas como tempo à disposição do empregador

De forma unânime, a 5ª Seção do TST reformou decisão que condenou a Seara Alimentos ao pagamento de horas de deslocamento, referente ao período posterior à vigência da Reforma Trabalhista, em favor de uma funcionária.

Em que pese o contrato de trabalho tenha sido celebrado anteriormente à modificação da legislação trabalhista, a turma colegiada consignou que o direito ao pagamento deve ter como marco final o começo da vigência da norma.

Horas de deslocamento

A operadora de produção ajuizou uma reclamatória trabalhista durante seu contrato de trabalho requerendo que a empresa fosse condenada ao pagamento de horas extraordinárias diárias, alusivas ao tempo perdido no trajeto de ida e volta para o trabalho.

Consta nos autos que a trabalhadora levava cerca de cinco horas para se deslocar à fábrica da empresa, localizada em outra cidade, diariamente.

No entanto, alguns dias após o ajuizamento da demanda, a Reforma Trabalhista entrou em vigor e deixou de garantir o pagamento das horas de deslocamento como tempo à disposição da empregadora.

Reforma Trabalhista

Ao analisar o caso em segundo grau, o Tribunal Regional do Trabalho do Rio Grande do Sul determinou a manutenção do pagamento das horas de deslocamento até a rescisão do contrato de trabalho, segundo a legislação vigente à época do ajuizamento da ação e em atenção ao princípio da irretroatividade da norma de direito material.

Inconformada, a operadora de produção interpôs recurso de revista perante o Tribunal Superior do Trabalho.

Segundo entendimento do ministro-relator Breno Medeiros, a Reforma Trabalhista deve ser aplicada aos contratos de trabalho que, não obstante tenham iniciados antes de sua vigência, permanecem em curso.

Com efeito, o relator concluiu que, após a entrada em vigor da Reforma Trabalhista, o tempo de deslocamento não será contado na jornada de trabalho, mesmo que o empregador disponibilize condução ao funcionário, tendo em vista que, nesse período, o empregado não se encontra à disposição do empregador.

Fonte: TST

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.