Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Hedonismo: definição e principais características

Você sabe o que é Hedonismo?

Desde a Grécia Antiga, o hedonismo esteve presente na sociedade, promovendo um sentido para a vida dos que o praticavam.

O tema pode ser cobrado em diversas questões de história e de filosofia, principalmente nos vestibulares e no ENEM.

Hedonismo: introdução

O Hedonismo é uma forma de pensamento desenvolvida na Grécia Antiga que possui como principal característica a busca incessante pelo prazer.

Hedonismo: origem do termo

“Hedonismo” é uma palavra que se origina do vocábulo grego hedonê. Esse termo era utilizado em referência à deusa grega que representa o prazer e é filha de Eros e Psiquê. Assim, o hedonismo pode ser definido como doutrina ou filosofia de vida que possui como como finalidade a busca pelo prazer em suas mais diversas formas.

A corrente foi criada pelo filósofo Aristipo de Cirene, que acreditava que a finalidade da vida de todos nós deveria ser o prazer supremo. Ainda, podemos afirmar que o hedonismo surgiu na transição da filosofia clássica para a filosofia helenística.

Hedonismo: tipos

Na Grécia Antiga, existiam quatro tipos de hedonismo, cada qual com uma filosofia específica que guiava os humanos em busca do prazer. Vamos descobrir, a seguir, quais são eles:

  • Hedonismo cirenaico: forma de hedonismo defendida por Aristipo de Cirene.
  • Hedonismo epicurista: modelo criado pelo filósofo grego Epicuro e que, por sua vez, diferencia os prazeres a serem buscados.
  • Hedonismo utilitarista: tipo de hedonismo que prega o acontecimento de ações éticas pelo ser humano, fruto de cálculo racional.
  • Hedonismo psicológico: corrente do hedonismo que busca realizar uma ligação entre prazer e felicidade.

Além desses tipos de hedonismo, podemos diferenciar também as transformações desse estilo de vida e doutrina ao longo dos séculos e de diversos contextos.

O hedonismo antigo, por exemplo, foi originado a partir das ideais de Aristipo e se perpetuou até os escritos de Epicuro de Samos, que defendia a ideia de pautar a vida na busca pelos prazeres naturais.

Já o hedonismo renascentista, por sua vez, marcou a retomada pela busca dos prazeres da vida, que havia sido praticamente proibida pela Igreja durante a Idade Média, no Renascimento. Assim, nesse período, o hedonismo estava presente na forma de uma dualidade: de um lado ainda repreendido pela religião católica, de outro buscado pelo homem e suas manifestações  e transformações artísticas.

Atualmente, estudiosos afirmam que o hedonismo está presente na sociedade na forma do consumismo, presente em comunidades individualistas e globalizadas. Isso significa que, hoje, a busca pelo prazer natural, progressivo e duradouro foi substituída pelas buscas por prazeres imediatos e individuais.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.