Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Fabricante nacional não responde por falha em produto comprado fora do Brasil

A 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do DF decidiu que o fabricante estabelecido no Brasil não deve ser responsabilizado por vícios em produtos adquiridos no exterior.

Para o colegiado, no caso, não há aplicabilidade das regras e garantias previstas no Código de Defesa do Consumidor.

Produto importado

Consta nos autos que, em janeiro de 2018, a autora comprou um Iphone desbloqueado em uma das lojas da Apple nos Estados Unidos.

De acordo com seus relatos, ao usar pela primeira vez no Brasil, o aparelho apresentou problemas, como ausência de sinal de rede e de internet e, em que pese tenha tentado solucionar o problema de diversas formas junto às lojas da Apple no país, à operadora telefônica americana e ao suporte internacional, sem sucesso.

Após contatar a ANATEL, a consumidora ela foi informada que a agência não teria competência para solucionar o problema e que deveria procurar a Apple.

Destarte, pleiteou judicialmente que a empresa a indenize pelos danos materiais e morais sofridos.

Em contestação, a Apple alegou que os prejuízos suportados pela autora não decorreram da conduta da fabricante, tendo em vista que somente a operadora de telefonia, junto à agência reguladora, pode bloquear ou desbloquear a Identificação Internacional de Equipamento Móvel.

Relação de consumo

Ao analisar o caso, o magistrado do 2º Juizado Especial Cível de Brasília julgou improcedente os pedidos feitos pela autora, que recorreu da decisão.

Posteriormente, a 1ª Turma Recursal destacou que o consumidor que realiza compra em país estrangeiro de forma presencial não possui a mesma garantia do consumidor nacional.

Para os magistrados, a nota da compra indica que o produto adquirido é vinculado a uma operadora de telefonia americana e que, diante disso, eventual vício na venda deve ser discutido somente junto ao vendedor.

Ademais, os juízes destacaram que resolução da ANATEL dispõe que o consumidor possui responsabilidade sobre os problemas que possam ocorrer com os celulares comprados no exterior.

Por unanimidade, o colegiado manteve a sentença que julgou improcedente os pedidos de indenização por danos morais e materiais.

Fonte: TJDFT

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.