Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Empréstimo pode ficar mais caro em 2021

Quem precisa de crédito, como um empréstimo ou então atrasar/parcelar alguma fatura do cartão de crédito, pode ter que lidar com cobranças mais altas. Isso porque desde a sexta-feira (01) o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para operações de crédito voltou a ser cobrado.

Leia também: Crédito para negativado LIBERADO: Serasa 

A cobrança do tributo foi suspensa até o dia 31 de dezembro do ano passado pelo governo, em razão dos efeitos na economia, causados pela pandemia do Covid-19 . Porém, sem renovação da medida, o IOF já está sendo cobrado em operações de crédito desde ontem (1º de janeiro).

O valor do IOF pode chegar até 3% ao ano para pessoa física e 6% para pessoa jurídica. Ou seja, é uma taxa a mais que será cobrada para quem solicitar um empréstimo.

Os brasileiros puderam contar com empréstimos com o IOF reduzido desde abril. Ainda em outubro, o presidente Jair Bolsonaro, por meio de medida provisória, zerou a cobrança do tributo para operações de crédito até  31 de dezembro de 2020.

Em um período de novembro, Bolsonaro optou por voltar a cobrar o IOF. Isso aconteceu como forma de uma espécie de compensação da isenção nas contas de luz dos moradores do Amapá, que sofrerão pelo apagão por três semanas. Já em dezembro, o governo zerou o imposto  novamente.

Porque meu empréstimo pode ficar mais caro? Entenda o que é IOF

O Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) é um tributo cobrado pelo governo federal.

Ele é aplicado, por exemplo, em empréstimo, em parcelamento de fatura do cartão de crédito, câmbio, seguros e as operações referentes a títulos imobiliários.

Uma de funcionalidades é ser uma espécie de controle entre as operações financeiras. Ou seja, com o IOF, o governo pode entender a oferta e demanda e movimentar a economia através disso.

Além disso, o IOF pode também servir para regular as operações financeiras. Por exemplo, o governo pode incentivar determinada transação oferecendo uma alíquota do IOF mais baixa, desestimular outra aumentando a alíquota cobrada.

Em outras palavras, o IOF não é um imposto que sempre terá o mesmo valor. Pelo contrário.

O valor (alíquota) também é diferente entre as transações.

Então, antes de pedir um empréstimo, é importante ficar de olho neste tributo que pode  variar no decorrer do ano. A variação não tem data ou mês para acontecer.

Outro ponto é que não é necessária a aprovação do Congresso Nacional para que seja alterado o valor cobrado do IOF, o que torna ainda mais simples sua alteração.

Mas não se assuste, mesmo que os empréstimos fiquem um pouco mais caros, o governo não poderá ultrapassar os limites estabelecidos de cobrança abaixo:

  • 3% ao ano para pessoa física
  • 6% para pessoa jurídica

 

 

 

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.