Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

É suficiente a assinatura dos responsáveis para a transferência de veículo em nome de menor com deficiência

O Ministério Público Federal (MPF) obteve decisão que determinou ao estado de Minas Gerais (MG) que deixe de exigir autorização judicial para a transferência/revenda de veículo adquirido com isenção tributária e registrado em nome de menor com deficiência. 

Com a decisão, para ser efetivada a transferência, basta somente a assinatura com firma reconhecida dos representantes legais no Certificado de Registro de Veículo (CRV), observando-se o lapso temporal que deve mediar a compra e a revenda do bem. 

Abrangência da decisão

A sentença, que defere também a tutela de evidência, foi proferida pela 14ª Vara Federal de Belo Horizonte e sua validade abrange todo o estado de Minas Gerais, e, permite que a decisão já produza efeitos imediatos.

A ação do MPF havia sido ajuizada em fevereiro do ano passado, em Uberlândia, entretanto a Justiça Federal no município declinou a competência para uma das varas da Seção Judiciária de Minas Gerais (Belo Horizonte). 

Alvará judicial

A ação contesta a exigência de alvará judicial, por parte do Detran/MG, dos pais de menores com deficiência, como condição para realizar a transferência do veículo no momento da revenda. 

De acordo com o MPF, essa exigência seria descabida uma vez que o registro do veículo em nome do menor com deficiência é exigência legal, imposição da Administração Pública, como condição indispensável para a obtenção do benefício fiscal e que, portanto, esta transação não configura doação ao menor, o que tornaria inaplicável a parte final do caput do art. 1.691 do Código Civil.

Direitos da pessoa com deficiência

Da mesma forma, a ação defende que não há desfalque ou diminuição no patrimônio do menor, uma vez que o veículo é comprado com recursos exclusivos de seus responsáveis e sem manifesta vontade de doá-lo (transferi-lo) ao filho. 

Do mesmo modo, a medida era uma barreira à concretização de direitos das pessoas com deficiência, como preveem tratados internacionais como a Convenção Internacional Sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, ratificado pelo Brasil por meio do Decreto 6.949/2009.

Impropriedade de exigência

Na sentença, a magistrada reconheceu que o art. 1.691 do Código Civil proíbe a alienação de bem imóvel, o que não é o caso dos veículos automotores. “Ora, a alienação de veículo automotor, ato jurídico de que trata a presente ação, notadamente, não constitui ‘contração de obrigação em nome dos filhos’, afigurando-se, também sob esse ângulo, a impropriedade da exigência de autorização judicial para a prática do ato”.

Isenção fiscal

Além disso, a decisão também concordou com os argumentos do MPF de que o veículo, ao ser adquirido, é obrigatoriamente registrado em nome do menor com deficiência, porquanto somente dessa forma estariam preenchidos os requisitos legais para a obtenção das isenções fiscais. 

“É que a legislação que rege a isenção tributária aplicável exige que o veículo, ao ser adquirido, seja, obrigatoriamente, registrado em nome do menor com deficiência, pois somente dessa forma estariam preenchidos os requisitos legais para a obtenção das isenções de IPI e ICMS”, registra a sentença.

Com essa decisão, o estado de Minas Gerais se junta ao grupo de estados onde essa exigência já não é mais adotada, assim como nos estados do Pernambuco, Pará, Alagoas e Santa Catarina.

(ACP 1000809-78.2019.4.01.3803)

Fonte: MPF-MG

Veja mais informações e notícias sobre o mundo jurídico AQUI

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.