Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Bolsonaro diz que economia vai bem

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que economia está caminhando “muito bem” e também negou que haverá a troca nos ministérios do governo federal. A fala aconteceu neste neste sábado (18) durante o Fórum da Rota da Fruticultura da RIDE/DF (Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno), em Brasília e as informações são do Valor Econômico.

“A fruticultura é uma coisa que tem se desenvolvido no Brasil, não com a força que nós esperávamos, mas está acordando para isso”, afirmou o presidente. “Esta iniciativa é muito bem-vinda, a nossa economia não pode e não vai parar”, continuou.

Ele ainda elogiou seu grupo no governo. “No futebol, quando um time não está indo bem, a gente pensa logo em trocar o técnico. O meu time está indo muito bem”, declarou Bolsonaro. E continuou: “São 23 ministro, alguns aqui presentes. Assessorado, obviamente, por presidentes de banco oficiais, como o da Caixa, bem como o de estatais”.

A fruticultura é um ramo da agricultura voltado para produção de frutos  com intuito de comercialização. O programa no qual o presidente participou do evento busca girar emprego e renda, com as melhores práticas no setor, abarcando principalmente pequenos produtores.

Como de fato está a economia do Brasil?

Se por uma lado Bolsonaro faz questão de elogiar todos os seus ministros em público e a economia, viver diante da alta da inflação no Brasil não tem sido tarefa fácil. A alta da inflação é a soma de fatores como:

  • O preço dos alimentos que quase dobraram de valor;
  • O gás de cozinha mais caro;
  • A gasolina com preços mais caros;
  • A conta de luz com uma nova bandeira e taxa alta;
  • Entre outros.

Uma das ações diante deste cenário da economia foi a criação do auxílio emergencial, que se iniciou com pagamento mínimo de R$ 600, mas logo os valores caíram e foram chamados de auxílio da fome. 

Muitos brasileiros já tem substituído o gás de cozinha por lenha ou similares, e reduzido a qualidade da sua alimentação. O salário não acompanhou a alta dos preços e, com isso, o poder de compra foi reduzido.

Uma medida que ainda causou estranheza neste ano foi o aumento dos salários do próprios políticos, o que inclui até o presidente Bolsonaro. 

Para aumentar sua popularidade neste cenário, o presidente pretende lançar o Auxílio Brasil, os valores foram confirmados recentemente. 

E você, o que acha disso tudo? 

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.