Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Auxílio Emergencial registra mais de 1 milhão de bloqueios em junho

De acordo com o Ministério da Cidadania, mais de 1 milhão de pessoas tiveram o bloqueio do Auxílio Emergencial em junho

Mais de 1 milhão de brasileiros tiveram o Auxílio Emergencial bloqueado neste último mês de junho. Pelo menos foi isso o que disse o próprio Ministério da Cidadania neste sábado (10). De acordo com as informações oficiais, esse foi um dos maiores cortes mensais do programa desde o início dos pagamentos em abril.

O número total de bloqueios foi de 1.157.856. São brasileiros que chegaram a receber a primeira e a segunda parcela do benefício mas que depois tiveram o cancelamento do programa. Boa parte dessas pessoas tiveram a opção de fazer a contestação no Auxílio Emergencial, mas outra parte não teve a mesma oportunidade.

Esse número alto tem uma explicação. É que a Controladoria Geral da União (CGU) recomendou o bloqueio de mais de 660 mil contas no programa. É que membros perceberam que essas pessoas estavam recebendo o Auxílio Emergencial de forma irregular. Os motivos eram os mais variados.

Além disso, o Dataprev seguiu realizando o corte de pessoas que o órgão também achou que estavam recebendo o benefício de forma irregular. De acordo com o Ministério da Cidadania, eles bloquearam em junho um total de 497 mil brasileiros do programa em questão. Por isso, a soma dos cortes ultrapassou a marca do 1 milhão.

Quem passou pelo bloqueio e não concorda com o motivo pôde fazer a contestação em até 10 dias úteis no site oficial do Auxílio Emergencial. Quem não encontra essa opção, tem a oportunidade de ir até o site oficial do FalaBR, seguir o passo a passo e fazer uma reclamação formal pelo corte no benefício.

Bloqueios

De acordo com informações do Ministério da Cidadania, cortes são cada vez mais comuns no mundo do Auxílio Emergencial. Isso está acontecendo porque a ordem dentro do Governo Federal é evitar ao máximo que as fraudes aconteçam.

É que no ano passado, o Palácio do Planalto perdeu bilhões de reais em pagamentos indevidos no programa. Pelo menos é isso o que apontam os dados oficiais tanto da CGU como do Tribunal de Contas da União (TCU).

Por isso, o Dataprev e os demais órgãos de fiscalização seguirão realizando essas análises mesmo no meio dos pagamentos do Auxílio Emergencial. Se alguém deixar de cumprir todas as regras, perde o benefício em questão.

Prorrogação do Auxílio

Na última segunda-feira (5), o Governo Federal anunciou oficialmente a prorrogação do Auxílio Emergencial. O programa que faria pagamentos até julho, agora deve seguir até o próximo mês de outubro.

Em entrevistas recentes, o próprio Ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o projeto pode até passar por uma nova prorrogação. Tudo vai depender portanto do desenrolar da pandemia do novo coronavírus no Brasil.

Os valores, aliás, continuam os mesmos. Agora são sete parcelas de montantes que variam entre R$ 150 e R$ 375 a depender da pessoa que recebe o programa. De acordo com o Ministério da Cidadania, cerca de 39 milhões de brasileiros estão recebendo esse benefício. 

O Governo Federal declarou ainda que não vai abrir novas inscrições para o programa. Assim, apenas as pessoas que estão recebendo agora é que seguirão pegando o dinheiro durante a prorrogação. 

2 Comentários
  1. Antonio José Pereira do nascimento Diz

    Eu estou precisando muito desse auxílio emergencial desde janeiro que não recebi mais

  2. Vandete Maria Soares Diz

    Amigo eu gostaria de perguntar na cara deste Presidente se ele ou alguém da família dele/Caso morasse sozinho se sobreviveria mensalmente com R $150,00 cento e cinquenta reais de 2/2meses.Morar sozinho não quer dizer que você não tenha uma família.que você não tenha filhos e netos que frequentam a sua casa.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.