Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Atualidades: entenda o conceito de soberania alimentar

Conheça o significado desse importante termo

O termo soberania alimentar foi usado pela primeira vez em 1996 por La Via Campesina, um movimento transnacional de pequenos agricultores, camponeses, trabalhadores agrícolas e grupos indígenas que posteriormente o definiram como “o direito dos povos a alimentos saudáveis ??e culturalmente apropriados produzidos de maneira ecológica métodos sólidos e sustentáveis ??e seu direito de definir seu próprio sistema alimentar e agrícola.”

A Via Campesina surgiu no início da década de 1990 em oposição ao modelo cada vez mais industrializado de agricultura que gerava exploração, deslocamento e profundas desigualdades no sistema alimentar.

Desde que o termo soberania alimentar foi cunhado, ele ganhou destaque mundial como um movimento descentralizado que atua em solidariedade com outros movimentos de justiça social para apoiar a autodeterminação e os direitos humanos – neste caso, pela busca de um sistema alimentar mais justo, sustentável e democrático.

História da soberania alimentar

O conceito de soberania alimentar está enraizado em tradições alimentares muito mais antigas, bem como em lutas históricas por autonomia e autodeterminação.

Por milênios, povos indígenas, agricultores de subsistência e camponeses, pastores, pescadores e outros desenvolveram e administraram sistemas alimentares sustentáveis.

A colonização muitas vezes desmontou as práticas tradicionais de coleta e produção e as substituiu por métodos que desvalorizaram o conhecimento cultural local sobre como encontrar, cultivar e distribuir alimentos de maneira sustentável.

A industrialização acelerada dos sistemas alimentares em todo o mundo no século 20 interrompeu ainda mais as práticas tradicionais, especialmente desde a Revolução Verde, que empregou biotecnologia e insumos químicos como fertilizantes sintéticos e pesticidas para aumentar enormemente a produtividade das lavouras.

Também concentrou a propriedade da terra e o controle da produção de alimentos nas mãos de grandes corporações.

Apesar das promessas de que essas novas práticas e tecnologias resolveriam a fome mundial, a insegurança alimentar global cresceu significativamente nas últimas décadas.

O uso de fertilizantes e pesticidas agrícolas sintéticos / tóxicos minimamente regulamentados ou não regulamentados que causaram poluição do ar, da água e do solo levantou preocupações adicionais sobre os impactos ambientais e de saúde dos sistemas de produção de alimentos industrializados.

O mesmo ocorreu com a proliferação de alimentos processados ??prejudiciais à saúde, possibilitada pelo aumento da produção de commodities durante e desde a Revolução Verde.

Com o tempo, surgiram preocupações adicionais sobre o uso crescente de safras geneticamente modificadas para maximizar a produção industrial e o lucro, e políticas concomitantes que prejudicavam os pequenos agricultores.

A criação da Organização Mundial do Comércio (OMC) forneceu outro ponto de convergência para o nascente movimento pela soberania alimentar.

Os críticos da OMC a acusaram de promover políticas comerciais que buscavam concentrar a agricultura onde os custos de trabalho e produção eram mais baixos, resultando em interrupções nos sistemas agrícolas e nas economias rurais em muitos países pobres. Também levou à expansão das monoculturas, com consequências sociais e ambientais adicionais.

O movimento pela soberania alimentar desafiou essas práticas. Na Cúpula Mundial da Alimentação de 1996 em Roma, foi proposto como uma nova abordagem para alcançar a segurança alimentar: “este modelo, baseado na descentralização, desafia o modelo atual, baseado na concentração de riqueza e poder, que agora ameaça a segurança alimentar global, diversidade cultural e os próprios ecossistemas que sustentam a vida no planeta.”

À medida que o movimento cresceu, a soberania alimentar tornou-se associada à agroecologia, justiça climática e ambiental, direitos dos camponeses e das mulheres, reforma agrária e direitos dos trabalhadores da alimentação.

Os princípios da soberania alimentar foram incorporados às políticas de governos nacionais e organizações intergovernamentais como as Nações Unidas.

E então, gostou de conhecer melhor o tema?

Não deixe de ler também – Atualidades: O que é fenologia e sua importância nas mudanças climáticas

Avalie o Texto.

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.