Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

AstraZeneca: Vacina de Oxford tem 79% de eficácia contra casos sintomáticos de Covid-19

A vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca contra Covid-19 registrou eficácia de 79% na prevenção de casos sintomáticos da doença, segundo testes de fase 3 conduzidos pela fabricante nos Estados Unidos, Chile e Peru.

Os estudos contaram com a participação de 32.449 voluntários e os resultados apontam que a vacina de Oxford é segura e atinge 100% de eficácia na proteção contra Covid-19 grave. Ela também é segura para idosos e, entre participantes de mais de 85 anos, teve eficácia de 80%.

Dessa forma, assim como visto em testes da vacina de Oxford conduzidos em outros países, o imunizante consegue evitar o aumento de hospitalizações e mortes em decorrência da Covid-19. Ou seja, ela pode ajudar no controle da pandemia.

A diferença entre esses testes e os anteriores está no intervalo entre as duas doses. Nos recentes estudos, o intervalo foi de 4 semanas, enquanto outros ensaios apontam que a vacina pode ser ainda mais eficaz se aplicada com até 12 semanas de diferença, como ocorre no Brasil.

Após os bons resultados, a AstraZeneca deve entrar com pedido de autorização emergencial de uso nos Estados Unidos. No Brasil, a vacina de Oxford teve o registro definitivo aprovado há 10 dias pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Vacina de Oxford é segura e não gera coágulos

Dos mais de 30 mil voluntários dos testes de fase 3, cerca de 20% tinham mais de 65 anos e 60% apresentavam comorbidades associadas à Covid-19, como diabetes, obesidade e doenças cardíacas. Assim, os testes conseguiram concluir que a vacina de Oxford é segura, pois não foram registradas complicações nos voluntários.

Há cerca de duas semanas, a aplicação da vacina de Oxford foi suspensa em diversos países da Europa por conta de casos suspeitos de coagulação. Após análise, a agência de medicamentos da União Europeia concluiu que o imunizante é ‘seguro e eficaz’.

Na sexta (19), o Comitê Consultivo Global sobre Segurança de Vacinas da Organização Mundial de Saúde (OMS) também afirmou que a vacina de Oxford não tem qualquer relação aos casos de trombose observados em alguns países. Os testes de fase 3 concluem o mesmo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.