Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

A Dinastia Qing: tudo sobre esse tópico

Dinastia Qing: um resumo

A Dinastia Qing foi uma das dinastias mais poderosas de todo o mundo, responsáveis por desenvolver o Império Chinês.

Devido ao seu envolvimento em diversas questões ocidentais, não é de se surpreender que essa dinastia apareça com frequência em questões de história geral, principalmente naquelas que a relacionam com importantes conflitos.

Dinastia Qing: Definição

A Dinastia Qing  foi a última dinastia do Império Chinês, governando o país de 1644, período que se insere na Idade Moderna, até o ano de 1912, já na Idade Contemporânea.

Dinastia Qing: Contexto Histórico

A Dinastia Qing era formada por diversas famílias que pertenciam à uma grande quantidade de tribos da etnia Manchu. Desse maneira, a dinastia pode ser chamada também de Dinastia Manchu.

Os Qing destituiriam do poder a Dinastia Ming, de etnia Han, que governava o Império Chinês até então.

No ano de 1644, o imperador Shunzhi assumiu o poder e foi o primeiro governante da Dinastia Qing.

No ano de 1912, o Império foi substituído pela República, que persiste até os dias de hoje. Porém, antes do fim da idade imperial, a poderosa Dinastia Qing havia deixado a China sob o chamado século de humilhação. Isso porque, desde o humilhante resultado da Guerra dos Boxers, no início do século XX, o Império nunca mais iria se recuperar, comprometendo a qualidade de vida da população.

Dinastia Qing: Características

Com a Dinastia Qing, a China se tornou o maior império de todo o mundo da época, sendo também o mais populoso. Ainda, a dinastia foi responsável por construir grande parte da cultura chinesa. O Império conheceu o seu auge especialmente com três grandes imperadores dessa dinastia. São eles: Kangxi, Yongzheng e Qianlog

Em mais de 250 anos de governo, a Dinastia Qing fez com que a China se desenvolvesse economicamente, militarmente e socialmente. Além disso, a população chinesa praticamente triplicou de tamanho devido à conquista do Tibet, Taiwan, Xinjiang e de alguns territórios da Sibéria. É válido destacar que com a política expansionista da Dinastia, o Império chegou a atingir mais de 430 milhões de habitantes. Os Qing foam também os responsáveis por incentivar grande parte da produção literária chinesa.

Dinastia Qing: Declínio

Porém, o Império Chinês conheceu o seu declínio a partir do século XIX, com o avanço das potenciais ocidentais sobre o seu território. Principalmente, os Qing enfrentaram uma grande impopularidade com a derrota na Guerra do Ópio, envolvendo a Inglaterra. A Guerra Sino-Japonesa, que se iniciou no dia 28 de março de 1894, também causou grandes estragos no Império, principalmente porque a China foi obrigada a entregar a Coréia e a ilha de Taiwan ao Japão.

Posteriormente, no início do século XX, a Guerra dos Boxers consolidaria a crise da Dinastia. Ao mesmo tempo, o Japão, que havia adotado uma política expansionista durante a Era Meiji, visava o território chinês.

Assim, todos esses fatores contribuíram para o acontecimento da Revolução Xinhai, em 1912, que acabaria com a monarquia.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

1 comentário
  1. genivaldo Diz

    Apesar dos fatos históricos eu ainda acha que essa família ainda tem muito poder e controla a china

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.