Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

20% das grandes empresas utilizarão moedas digitais até 2024

Estudo de consultoria aponta que executivos devem avaliar as diferentes formas de uso, os riscos e os potenciais impactos da adoção das moedas digitais na rotina dos negócios

De acordo com o Gartner, consultoria especializada em tecnologia, 20% das grandes empresas globais usarão moedas digitais. Elas deverão ser utilizadas para realizar pagamentos até 2024, para armazenar valor para operação (stored values) ou para criar garantias digitais (collateral) para uso em longo prazo.

LEIA MAIS: Estudo da Visa aponta Brasil como um mercado promissor para criptomoedas

Diante deste cenário, os analistas ressaltam que é importante que os executivos de finanças (CFOs – Chief Financial Officers) avaliem quais são as diferentes opções de uso e os potenciais riscos trazidos com a adoção das moedas digitais. Eles precisam identificar as modalidades de negócios que poderão ser utilizadas de maneira segura e eficiente para a realização de transações digitais empresariais nos próximos anos. 

Com o aumento da aceitação de criptomoedas em plataformas tradicionais de pagamento e a ascensão das moedas digitais, as grandes empresas vão se sentir incentivadas a incorporar este tipo de ativo em suas aplicações nos próximos anos, aponta o Gartner. 

Segundo a consultoria, as moedas digitais serão primariamente usadas por essas organizações em pagamentos, gestão de reserva de valor e para alavancar a capacidade de promover investimentos de alto rendimento disponíveis em aplicações de financiamento descentralizado (DeFi).  

Mas antes de avaliar quais são as moedas mais apropriadas e incorporá-las às operações das companhias, é recomendado que as empresas identifiquem quais são os casos de uso específicos das moedas digitais e como essa utilização impactará cada organização. 

Cada caso de uso precisa ser acompanhado de uma série de considerações tecnológicas, regulatórias, jurídicas e estratégicas que precisam ser avaliadas tanto pelos executivos de finanças como pelos técnicos. Isso porque elas podem impactar diretamente a seleção de fornecedores e é necessária uma equipe habilitada para monitorar e reagir às orientações regulatórias contínuas dessas aplicações.   

Tecnologia facilita implantação

A previsão do Gartner para adoção mais ampla de moedas digitais até 2024 é parcialmente guiada pelo ambiente já saudável de fornecedores de serviço e soluções disponíveis. Além disso, graças ao trabalho realizado pela cadeia de serviços financeiros, a maioria dos casos não vai demandar uma aplicação específica de blockchain, diminuindo a complexidade da adoção. 

A consultoria diz que sempre houve apelo teórico no uso de blockchain e moedas digitais como meio de reduzir custos e aumentar a velocidade do processamento de transações. A perspectiva de alcançar novos consumidores globais, desburocratizar a contabilidade e auditoria e criar um ambiente livre de erros e fraudes também aumenta o interesse. 

Devido à tecnologia, até os governos começam a criar regulamentação sobre o tema, o que abre um potencial caminho para mais bancos centrais aceitarem moedas digitais. Com isso, é possível que o uso desse ativo se torne mais previsível e estável no futuro. 

Esse interesse foi visto ainda no começo de 2021, com o aumento da procura por moedas digitais e aplicações de blockchain entre CFOs. Enquanto a volatilidade de criptomoedas continua sendo uma preocupação, a antecipação de orientações regulatórias mais claras e o advento de moedas geradas pelos próprio Bancos Centrais agora oferecem às empresas mais caminhos para os testes de uso das moedas digitais. 

Inflação também puxa crescimento

Outro ponto de interesse para o uso de moedas digitais entre os próximos dois anos é a proteção contra a inflação global, algo que tem preocupado a governos e pessoas em geral, já que passamos pela maior inflação em 39 anos. As moedas digitais ainda podem trazer maior clareza regulatória, melhorias no uso de energia e adoção por funcionários, consumidores e fornecedores.   

O Gartner também notou que pressões da macroeconomia relacionados com a alta inflação em andamento e seu impacto nas moedas fiduciárias, pode levar a mais CFOs a explorar algumas moedas digitais como uma fonte de armazenamento de valor para uma parte de suas reservas. 

Em 2022, é esperado que os CFOs aumentem seu conhecimento em bens digitais, moedas e outras aplicações de blockchain. Dessa forma, eles devem ter uma visão dos riscos e dos pontos de diferenciação para sua organização. O Gartner já começa a ver grandes empresas, listadas na Fortune 500 (lista com as 500 empresas mais ricas dos Estados Unidos), mapeando o uso de moedas digitais. 

Avalie o Texto.

Veja o que é sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.