Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Voto censitário: Entenda como ele funciona 

O voto censitário é o direito dado a um certo grupo de indivíduos que possuem determinados quesitos econômicos. 

Ele surgiu no contexto final do Antigo Regime com os estopins liberais que eclodiram na Europa e na América, pautados pelos ideais iluministas e liberais. 

Desse modo, o grupo denominado como burguesia passou a exigir mais participação política por meio da eleição de seus representantes. 

No entanto, o rei e a nobreza não achavam uma boa ideia essa divisão de poder. Contudo, por conta da necessidade de novos agentes sociais nas decisões políticas, o direito ao voto acabou cedido a uma parcela do povo. 

Dessa maneira, o voto censitário tem como característica de destaque estar voltado a uma classe de proprietários que podem ser eleitos, assim como criar leis para protegerem a si mesmo e seu grupo. 

Vale destacar que o voto censitário foi adotado na Constituição Americana de 1787 e na Constituição Francesa de 1791. 

O voto censitário poderá aparecer em vestibulares e no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Por isso acompanhe o artigo e saiba mais sobre o assunto! 

Voto censitário no Brasil

O voto censitário no Brasil acabou sendo concedido aos homens através da Constituição Política do Império em 1824. 

Contudo, apenas homens livres com mais de 25 anos e renda anual superior a 100 mil réis podiam exercer o direito ao voto nas eleições primárias. Nesse pleito eram escolhidos os deputados e senadores. 

Da mesma maneira, para concorrer nas eleições, o candidato deveria ter renda superior a 200 mil réis. Além disso, os candidatos a deputados ou senadores precisavam ter renda maior que 400 mil réis, serem brasileiros e católicos. 

O voto censitário acabou sendo excluído no Brasil republicano, através da Constituição de 1891, contudo, somente homens alfabetizados podiam votar. 

Desse modo, a Carta Magna republicana excluía boa parte da população que em sua maioria era analfabeta e mulher. 

Além disso, na Primeira República, uma prática ilegal por parte dos coronéis, ficou muito popular, o conhecido voto de cabresto que ocorre até os dias de hoje. 

Voto Universal

O voto universal dá o direito ao voto a todos os cidadãos sem discriminação de renda, genêro, religião, escolaridade. O único impedimento é ter a idade necessária respeitando a legislação do país. 

No Brasil, as mulheres tiveram o direito ao voto no ano de 1932, contudo, uma parte da população continuou excluída como analfabetos, soldados e religiosos. 

Por fim, o direito ao voto universal no Brasil aconteceu em 1988, através da nova Constituição. 

E então, gostou de saber um pouco mais sobre o voto censitário?

Não deixe de ler também – Como trabalhar a ansiedade? Veja as nossas dicas!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.