Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Única mudança de local de trabalho não enseja pagamento de adicional de transferência

A 3ª Seção do Tribunal Superior do Trabalho deferiu o recurso de uma empresa, interposto contra a condenação ao pagamento do adicional de transferência de 25%, incidente sobre o salário de um industriário.

De acordo com entendimento dos julgadores, não houve caráter provisório na transferência, que ocorreu somente uma vez.

Mudança provisória

Consta na reclamação trabalhista que o industriário foi transferido em 2006 para a filial da empresa na Bahia e, lá, permaneceu até a rescisão do contrato de trabalho, quando retornou ao domicílio de origem, no Rio Grande do Sul.

Conforme alegações do trabalhador, ao transferi-lo a empresa havia prometido o retorno a sua cidade de origem, contudo, não pagou o adicional de transferência de 25% sobre o seu salário mensal.

Em contestação, a empregadora sustentou que ao pagamento da parcela só se justificaria se a transferência tivesse caráter provisório e, ao longo do contrato de trabalho, houve apenas uma transferência, que durou mais de sete anos, o que demonstra a sua definitividade.

Adicional de transferência

Ao analisar o caso, o juízo de origem rejeitou o pedido do empregado, no entanto, segundo o Tribunal Regional do Trabalho do Rio Grande do Sul, o deslocamento do industriário, para capacitar mão de obra da filial, se dera por interesse exclusivo da empresa.

Neste sentido, o TRT alegou que, pelo menos para o empregado, tal transferência não foi definitiva.

Para o relator do recurso de revista da empresa, ministro Agra Belmonte, a jurisprudência do TST tem entendido que, quando há sucessivas alterações no local de prestação de serviço durante o contrato de trabalho, é devido o pagamento do adicional de transferência quando ela se dá pelo período de até três anos.

Por fim, o relator arguiu que, no caso, a provisoriedade ficou afastada e, por consequência, a obrigação do empregador de pagar a parcela.

O voto do relator foi acompanhado por unanimidade pelos demais membros do colegiado.

Fonte: TST

Avalie o Texto.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.