Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Tecnologia no esporte: como a análise de dados aumenta o desempenho de atletas

O futebol se destaca no uso de analytics para extrair o máximo de seus jogadores, mas outras modalidades também se aproveitam da tecnologia

As Olimpíadas de Tóquio já passaram, mas os atletas sempre vão continuar a treinar para o próximo ciclo olímpico. Mais do que nunca, atletas se preparam para se adaptar às adversidades e chegar aos jogos no ápice da forma física. A tecnologia no esporte surge como uma aliada e não é de hoje que está sendo utilizada para ajudar no desenvolvimento do atleta. 

O futebol é a área em que a análise de dados se destaca. O time inglês Liverpool, por exemplo, estabeleceu uma forte estratégia de big data para aumentar a taxa de vitórias do time. Baseada em controle de campo, o departamento de dados do clube consegue estabelecer, durante o jogo, qual a probabilidade de gol em uma jogada.

LEIA MAIS: As tecnologias que transformaram a experiência dos atletas nas Olimpíadas de Tóquio 2020

A cor vermelha no gráfico abaixo apresenta o controle que os jogadores do Liverpool têm em campo. Se o time adversário quer manter a posse de bola, o mais seguro a se fazer é fugir das partes em vermelho e tocar para quem está na parte azul. 

(Imagem: reprodução/Liverpool.com.)

Ao combinar dados de evento e rastreamento, o Liverpool consegue obter previsões de possíveis jogadas e até mesmo a probabilidade de um gol. Tim Waskett, membro da equipe de ciência de dados do Liverpool, explicou em uma matéria do próprio site do clube, como funciona essa previsão. Atente-se a este segundo gráfico, em que o time vermelho é o Liverpool e as áreas em vermelho são os lugares em que eles podem chegar antes dos adversários (em azul): 

(Imagem: reprodução/Liverpool.com.)

De acordo com Waskett, a partir dos dados de localização e a velocidade dos jogadores envolvidos, a probabilidade de um gol a ser marcado nos próximos 15 segundos é de 1,3%. Com esses dados em mãos, o técnico do time pode tirar vantagem sobre os concorrentes e tirar vantagem em jogadas futuras. Na temporada 2019/20, em que a matéria foi produzida, o Liverpool sagrou-se campeão do Campeonato Inglês (Premier League) após 20 anos sem o título. 

Tecnologia no esporte aquático: vela usa dados para melhorar treinamento 

Competição realizada em Sydney Harbour (foto: Richard Ling/Wikipedia).

No iatismo, esporte popularmente chamado de vela, os dados também são bastantes utilizados. Ao contrário do futebol, não é permitido colaboração externa durante a competição, mas os atletas podem usar tecnologia durante o treino e conferir os dados após as regatas. 

Desde 2016, a Seleção Alemã de Vela utiliza sensores colocados na água para medir a velocidade e a força da correnteza. Um rastreador GPS também é colocado no barco para estimar as melhores manobras a serem feitas a depender do clima. Um software na nuvem faz o processamento dos dados. 

A intenção da tecnologia no iatismo é fornecer aos atletas mais conhecimento. Diferente do que se imagina, a vela é um esporte de habilidade, não de velocidade. Ganha quem erra pouco e acumula menos pontos. Por isso, a experiência é um fator decisivo na tomada de decisão. 

Com a análise de dados, a expectativa é diminuir a diferença para os velejadores menos experientes. Como resultado, a seleção alemã conseguiu a medalha de bronze na categoria 49er nos Jogos Olímpicos Rio 2016. 

Tecnologia em outros esportes 

Também há outras modalidades que utilizam a análise de dados para conseguir melhores resultados: 

  • Natação: Com câmeras instaladas nas piscinas, é possível congelar a imagem e analisar o movimento que o atleta executa, permitindo a detecção de pontos a serem melhorados. 
  • Fórmula 1: A competição exige a tomada de decisão rapidamente, já que cada milésimo de segundo faz a diferença entre ganhar ou perder. A categoria utiliza softwares para processar os dados em tempo real e criar análises preditivas em larga escala. 
  • Atletismo: A partir dos dados de características físicas e testes de provas, é possível estabelecer o potencial de atletas entre 10 e 16 anos. Com a análise correta, pode-se controlar não só o tipo de treinamento e modalidade em que o adolescente pode praticar, mas também como potencializar seu desenvolvimento físico. 
  • Tênis de mesa: Um software de vídeo é utilizado para melhorar a performance de atletas.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.