Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Réu acusado de latrocínio é condenado a mais de 20 anos de prisão

O Tribunal do Júri de Águas Claras/DF proferiu sentença condenando um réu acusado de homicídio e roubo à pena de 20 anos, 4 meses e 15 dias de reclusão, em regime inicial fechado.

Roubo e homicídio

Consta na denúncia oferecida pelo Ministério Público do Distrito Federal que os crimes ocorreram em uma noite de 2019, no interior de uma farmácia.

Na ocasião, o denunciado abordou um funcionário do estabelecimento com uma faca, anunciou o assalto, mandou que ele entregasse todo o dinheiro do caixa e, após subtrair o valor, saiu do local.

Ato contínuo, o réu foi abordado por indivíduos que tentaram impedir sua fuga, oportunidade em que desferiu facadas contra um dos populares que, diante disso, acabou falecendo.

Segundo o ente ministerial, o homicídio foi praticado com a intenção de resguardar a fuga e conseguinte impunidade do acusado em relação ao crime de roubo, realizado anteriormente.

Condenação

Em sessão de julgamento no Tribunal do Júri, o juiz presidente condenou o réu pela prática dos crimes de homicídio duplamente qualificado e roubo, à luz da decisão soberana do júri popular.

Ao realizar a dosimetria da pena, o magistrado ressaltou que o réu foi ousado ao cometer os crimes em local de grande circulação de pessoas, que passeavam com seus animais, reuniam-se para lanchar ou levavam crianças para brincar.

Além disso, de acordo com o julgador, o fingimento do acusado, que entrou no estabelecimento se passando por cliente, foi atendido por funcionários e, posteriormente, anunciou o roubo, desenvolveu transtornos psicológicos em um dos atendentes da farmácia, sendo necessário o tratamento com profissional especializado.

Com efeito, o presidente da sessão manteve a prisão preventiva decretada ao réu, que respondeu ao processo preso.

Por fim, sob a alegação de que as condutas do réu se mostraram altamente graves, o juiz não concedeu a ele o direito de recorrer em liberdade.

Fonte: TJDFT

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.