Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Retrocesso tecnológico: estudo aponta que 86% das instituições privadas pretendem suspender aulas online 

O desenvolvimento tecnológico que o segmento de educação teve durante a pandemia pode estar ameaçado. 

Em levantamento inédito da Layers Education, edtech que otimiza a gestão escolar por meio da unificação de aplicativos, cerca de 86% das instituições privadas declararam que irão suspender as aulas on-line em 2022. 

A pesquisa foi respondida por mais de 400 mantenedores e diretores entre novembro e dezembro do ano passado.

Na opinião do CEO da startup, Danilo Yoneshige, a educação avançou 10 anos em menos de dois. 

Em função da corrida para conseguir atender pais, responsáveis e alunos, promover as aulas e avaliações à distância, a transformação digital foi acelerada. 

Isso pode ser comprovado pelos dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep): houve um aumento de 4.920 escolas com acesso à internet entre 2019 e 2020.

“Suspender aulas remotas pode significar um retrocesso. Precisamos considerar que pais, responsáveis e alunos estão cercados por ferramentas digitais atualmente, e esta é a nova ordem. Não faz sentido retornar para um modelo completamente analógico”, avalia o especialista.

O executivo ainda esclarece que a tecnologia chegou para mudar o atual sistema de ensino, que ainda é muito arcaico. A metodologia utilizada no ambiente presencial, por exemplo, foi construída na revolução industrial, em meados do século XIX: carteiras enfileiradas, alunos padronizados e professores no centro do processo, como figuras autoritárias e detentoras do processo. 

“A saída, neste caso, é o ensino híbrido. Assim, os educadores podem utilizar ferramentas que incentivem a criatividade dos estudantes, como o uso de vídeos e jogos interativos. Desta forma, eles são instigados a construir um ambiente disruptivo. O processo de aprendizagem não é o mesmo para todos e é saindo do lugar comum que será possível promover a integração efetiva de diversos perfis de alunos”, declara o executivo.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Layers Education.

E então, gostou da matéria? Não deixe de ler também – Auxílio emergencial: Guedes prometeu retorno dos pagamentos NESTA situação.

Avalie o Texto.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.