Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Cerca de 79% dos restaurantes utilizam PIX ou pretendem adotá-lo

De acordo com a Associação Nacional de Restaurantes (ANR), Galunion Consultoria e o Instituto Foodservice, o PIX tem ganhado cada vez mais espaço como meio de pagamento em restaurantes. O levantamento aponta que 79% dos restaurantes já utilizam ou pretendem adotar o PIX como método de pagamento em seus estabelecimentos. Esses dados correspondem a 67% nas redes alimentícias e 83% nos restaurantes independentes.

Além disso, na última semana, o Banco Central havia informado que o PIX foi utilizado 869,9 milhões de vezes no 1º trimestre de 2021. A plataforma superou todas as operações realizadas por meio de DOC, TED ou cheque. O novo sistema de pagamentos permanece apenas atrás dos cartões de crédito, débito e pré-pago.

O PIX tem atraído novos usuários todos os dias, e vem chamando a atenção de empresários brasileiros do ramo alimentício. Com o novo sistema de pagamentos, torna-se muito mais simples o pagamento de produtos no débito por meio de um aparelho celular. Ademais, o valor transferido ao recebedor por meio do aplicativo fica disponível na conta em poucos segundos, diferente das compras efetuadas com cartões.

Além disso, a facilidade de pagar a conta pelo aparelho celular de forma simples, com a chave PIX ou QR Code atrai a atenção de novos clientes, principalmente os mais jovens. Isso se deve tanto pela facilidade, quanto pela gratuidade do sistema, que diferente de alguns cartões, não possui anuidade.

Pagar com PIX é seguro?

Pesquisas apontam que 76% dos brasileiros afirmam confiar no PIX. Apesar disso, o nível de confiança é menor entre a parte mais velha da população. Do mesmo modo que o desconhecimento em relação ao sistema de pagamento é bastante amplo. Grande parte dos brasileiros acreditam que os bancos são responsáveis pelo sistema, contudo, o PIX é gerido pelo Banco Central.

De acordo com o próprio Banco Central, o PIX conta com inúmeros mecanismos de segurança. A identidade dos usuários é autenticada por meio de senha, token, reconhecimento facial, biométrico ou quaisquer outros métodos de segurança utilizados pelas instituições bancárias.

Os dados das transações feitas por meio do PX são criptografados na Rede do Sistema Financeiro Nacional. Esta rede de dados é operada pelo BC, sendo extremamente segura. Ademais, o PIX opera com “motores antifraude”, identificando transações que mostram-se fora do perfil do usuário e bloqueando operações suspeitas por até trinta minutos durante o dia e uma hora durante a noite.

Em caso de fraude, existe a possibilidade de ressarcimento?

Segundo o Banco Central, cabe ao prestador de serviços de pagamento a análise de possíveis fraudes realizadas por meio do PIX e o ressarcimento. Apesar disso, a partir do dia 16/11/2021, deve entrar em vigor o Mecanismo Especial de Devolução.

Esse mecanismo serve para padronizar as regras e procedimentos, buscando viabilizar a devolução de valores em casos de fraudes. Portanto, o mecanismo serve para que o Banco Central consiga padronizar o método e os prazos para avaliação de fraudes, de forma que as instituições possam realizar as devoluções.

Sendo assim, o sistema de pagamentos PIX é bastante seguro. Mesmo que a padronização ainda não tenha sido implementada pelo Banco Central, os bancos são responsáveis pelas operações PIX realizadas por meio de seus aplicativos, podendo ser penalizados pelo BC por uso indevido do mecanismo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.