Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Remessas mundiais de PCs cresceram quase 10% em 2021

Mesmo com queda de 5% no quarto trimestre do ano passado, o resultado anual foi positivo e a expectativa é que mercado siga saudável, mesmo com a desaceleração impulsionada pela pandemia

As remessas de computadores ao redor do mundo – que são as entregas de equipamentos por fabricantes a lojas e revendas – totalizaram 88,4 milhões de unidades no quarto trimestre de 2021, número que representa queda de 5% em relação ao mesmo período de 2020, segundo pesquisa do Gartner. Este é o primeiro declínio ano a ano após seis trimestres consecutivos de crescimento neste setor. Mesmo assim, no acumulado do ano de 2021, as remessas de PCs cresceram 9,9% em relação ao ano anterior, com o total de 339,8 milhões de unidades.

LEIA MAIS: Mercado de PCs segue em alta no País, aponta estudo da IDC Brasil

A queda no quarto trimestre foi puxada pelo declínio acentuado no mercado de PCs dos Estados Unidos, causado por problemas contínuos na cadeia de suprimentos e o colapso na demanda por Chromebooks. O Gartner avalia que isso provavelmente significa o fim do crescimento maciço de demanda de PCs desencadeado pela pandemia. 

Segundo os analistas da consultoria, apesar dos números, o resultado de 2021 foi considerado positivo. A queda do quarto trimestre apenas atenuou ligeiramente o crescimento do mercado de PCs no ano, que registrou o maior volume de remessas desde o ano de 2013. Durante a pandemia, o crescimento das remessas foi apoiado por um aumento no preço médio de venda (ASP), resultando em receitas mais altas e um mercado mais saudável de forma geral. 

Como resultado, os volumes anuais de remessas de PCs não devem cair para níveis pré-pandemia por pelo menos dois ou três anos. 

Líderes se mantém 

Os três principais fornecedores do mercado mundial de PCs permaneceram inalterados no quarto trimestre de 2021, com a Lenovo mantendo o primeiro lugar em remessas. Veja na tabela abaixo: 

Estimativas Preliminares de Remessas de Unidades de Computadores ao Redor do Mundo no quatro trimestre de 2021 (4T21), comparando com o mesmo período de 2020 (Tabela em milhões de unidades) 
Fabricante  Remessas   

4T21? 

Participação de Mercado – 4T21 (%) Remessas   

4T20? 

Participação de Mercado – 4T20 (%)  Crescimento   

4T21-4T20?(%) 

 Lenovo 21,7   24,6  24,6   26,5  -11,9  
 HP Inc. 18,6   21,1  19,4   20,9  -4,2  
 Dell 17,1   19,5  15,9   17,1  7,9  
 Apple 6,8   7,7  6,4   6,9  6,2  
 Acer Group 6,1   7,0  6,7   7,3  -9,0  
 ASUS 6,1   6,9  5,3   5,8  13,9  
 Outros  11,7   13,3  14,4   15,5   -18,9  
 Total? 88,3   100  93   100  -5,0 

Fonte: Gartner (janeiro de 2022)?  

As remessas mundiais de PCs da Lenovo caíram quase 12% no quarto trimestre de 2021, que foi o primeiro período de declínio desde o primeiro trimestre de 2020. Essa diminuição foi devida à desaceleração do mercado dos Estados Unidos, além da diminuição na demanda por Chromebooks. Além disso, os problemas na cadeia de suprimentos dificultaram a marca no fornecimento de PCs para clientes corporativos. 

Esses fatores também contribuíram para o declínio de 4% ano a ano da HP. No entanto, o declínio da HP foi moderado por um crescimento robusto no mercado da Ásia-Pacífico. Já as remessas de PCs da Dell cresceram e a empresa ganhou participação de mercado neste período após registrar um quinto trimestre consecutivo de crescimento. O volume de embarque ultrapassou 17 milhões de unidades pela primeira vez na história da empresa, liderado pelo forte desempenho na América Latina, na Europa, Oriente Médio e África (EMEA) e Ásia-Pacífico.  

Pandemia e sua influência no mercado 

Após um longo período de declínio e crescimento modesto ocasional, a pandemia reviveu a indústria de computadores, como evidenciado pelo forte crescimento contínuo de 2021. O Gartner espera que a demanda de PCs diminua pelo menos nos próximos dois anos, mas os volumes anuais de remessas não devem cair para níveis pré-pandemia nesse período.  

Segundo os analistas do Gartner, a pandemia mudou significativamente o comportamento dos usuários de PCs comerciais e de consumo doméstico, pois as pessoas tiveram que adotar novas formas de trabalhar e viver. Como as aulas passaram a ser online, famílias com mais de um filho precisaram de mais de um computador para que todos estudassem. Ao mesmo tempo, empresas tiveram que investir em notebooks para que seus funcionários pudessem trabalhar de casa.

No pós-pandemia, o Gartner aponta algumas das formas recém-estabelecidas de usar PCs continuarão sendo uma prática regular, como estilos de trabalho remotos ou híbridos, fazer cursos online e se comunicar com amigos e familiares por ferramentas digitais.

Avalie o Texto.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.