Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Mercado de PCs segue em alta no País, aponta estudo da IDC Brasil

No segundo trimestre foram vendidos 2 milhões de máquinas e no terceiro trimestre 2,3 milhões, 60,2% e 41,3% a mais do que nos mesmos períodos de 2020

O mercado de PCs, que fechou 2020 em alta, mostrou sequência de crescimento em 2021. Após um bom primeiro trimestre, a consultoria IDC Brasil aponta que os seis meses seguintes também se mostraram positivos para o segmento. Foram 2 milhões de computadores vendidos em abril, maio e junho e 2,3 milhões em julho, agosto e setembro. Os volumes são 60,2% e 41,3% a mais do que no segundo e no terceiro trimestre de 2020, que já tinham sido bons para o setor.

LEIA MAIS: Remessas de computadores sobem 1% no terceiro trimestre de 2021

De acordo com a IDC, em 2021, o mercado de PCs teve um salto mesmo com a escassez de componentes – que vem sendo um inibidor para o crescimento de diferentes mercados, como o de smartphones. 

Do total de vendas do segundo trimestre, 408 mil foram desktops e 1,6 milhão foram notebooks, respectivamente, 56% e 60% a mais do que no mesmo período de 2020. O mercado corporativo foi o destino de 760 mil unidades, e o varejo ficou com 1,2 milhão, volumes cerca de 109% e 40% maiores em relação ao mesmo período de 2020. 

No segundo trimestre de 2021, o preço médio do desktop foi R$ 3.305 e do notebook R$ 4.314, alta de 13% no preço dos portáteis e de 4% no preço dos desktops. Já a receita total em abril, maio e junho de 2021 passou de R$ 8 milhões, com alta de 80%. 

Terceiro trimestre 

Já no terceiro trimestre de 2021, das quase 2,3 milhões de máquinas vendidas, 430 mil foram desktops e 1,8 milhão foram notebooks, 34% e 43% a mais em relação aos mesmos meses do ano passado. Para o mercado corporativo foram 941 mil unidades, e para o varejo 1,35 milhão, aumento de 108% e de 15%, respectivamente, em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. 

A IDC explica que esse aumento se deve a alguns fatores, entre eles a recuperação gradual da economia e o estímulo para as pessoas atualizarem seus computadores e, principalmente, aumentarem o número de computadores por usuário dentro das casas. Uma família de quatro membros, por exemplo, que só tinha um computador, precisou adquirir outra máquina para acomodar as atividades diárias, destaca a empresa. 

O analista da IDC Brasil observa ainda que o consumidor tem investido em máquinas melhores, basicamente porque, em geral, passou a depender mais do computador e quer mais memória, processador e recursos de vídeo melhores, etc. 

Ainda de acordo com o IDC Brazil PCs Tracker 3Q2021, de julho a setembro de 2021, o preço médio do desktop foi R$ 3.384 e do notebook R$ 4.475, cerca de 13% e 15% a mais do que no mesmo período de 2020. A receita total do período foi de R$ 8.36 bilhões, 64% maior em relação ao mesmo do período do ano anterior. 

A IDC complementa que a alta de preços foi puxada pela inflação, falta de componentes e pela busca dos consumidores por máquinas melhores. 

Dell lidera o mercado nacional de computadores 

No terceiro trimestre de 2021, a Dell Technologies manteve a posição de líder de vendas no mercado de PCs no Brasil – pelo sétimo ano consecutivo. De acordo com dados da IDC, em julho, agosto e setembro, a Dell foi responsável por 21,7% do total de unidades comercializadas no país. 

Os números alcançados pela empresa representam um crescimento de 35,5% em relação ao mesmo período no ano anterior. No recorte do segmento corporativo, a marca manteve a liderança e registrou 35,5% de participação no mercado, com crescimento de 65,8% em relação ao terceiro trimestre de 2020. 

Para o último trimestre de 2021, a IDC Brasil acredita que o mercado de computadores ainda registre crescimento positivo, de dois dígitos, mas em um ritmo menor do que se viu nos trimestres anteriores. Isso porque há uma competição global por componentes e os fabricantes fazem escolhas diariamente sobre sua logística de abastecimento, e nem sempre eles enviarão produtos para o Brasil. 

Além disso, há problemas de crise energética em grandes centros de produção na Europa e Ásia – o que não deve ter uma solução plena no curtíssimo prazo, impactando em todo o movimento de mercado.

Avalie o Texto.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.