Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

5/5 - (3 votes)

RECEITA FEDERAL libera CONSULTA do 3º lote da RESTITUIÇÃO do IRPF; veja quem pode

Contribuintes já podem consultar o 3º lote da restituição do IRPF (Imposto de Renda de Pessoa Física). O site foi liberado na última terça-feira (19), 10 dias antes do início dos pagamentos.

Contribuintes já podem consultar o 3º lote da restituição do IRPF (Imposto de Renda de Pessoa Física). O site foi liberado na última terça-feira (19), 10 dias antes do início dos pagamentos.

Os dois primeiros lotes foram destinados aos contribuintes que declararam o IRPF antecipadamente ou dentro do prazo. Agora, segundo a Receita Federal, os próximos pagamentos ocorrerão nas seguintes datas:

  • 3º lote – 29 de julho;
  • 4º lote – 31 de agosto;
  • 5º lote – 30 de setembro.

O que são as restituições?

As restituições consistem em devoluções dos valores pagos e apresentados por meio da declaração do Imposto de Renda. Então, a Receita Federal devolve o saldo que o contribuinte pode resgatar. Comumente, as restituições se dão por conta de deduções do tributo. 

Como consultar a restituição?

A princípio, as consultas às bases da Receita podem ser feitas pelo site e pelos aplicativos disponibilizados para tablets e smartphones. Além de informar sobre liberação das restituições, as plataformas fornecem acesso direto a outros tipos de informações sobre a situação cadastral dos CPFs.

Veja como fazer a consulta pelo site:

  1. Acesse o site da Receita Federal;
  2. Clique em “Meu Imposto de Renda”; e
  3. Selecione a opção “Consultar Restituição”.

Ainda, segundo informações da Receita, as restituições dos contribuintes serão pagas diretamente na conta bancária informada na declaração do IRPF. Se, por algum motivo, o crédito não for realizado, os valores ficarão disponíveis para resgate por até um ano no Banco do Brasil.

Seja como for, o reagendamento dos valores devidos pode ser feito pelo Portal BB, ou pela Central de Relacionamento BB, nos telefones 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (telefone especial exclusivo para deficientes auditivos).

Trabalhador que recebe 1,5 salário mínimo deverá pagar Imposto de Renda em 2023

A tabela de faixas de valores do Imposto de Renda (IR) não é atualizada desde 2015, sendo assim, conforme a previsão do salário mínimo para 2023 (R$ 1.294), quem recebe 1,5 piso terá que pagar o tributo.

Diante tal situação, parlamentares estão com propostas em aberto solicitando a atualização da tabela do Imposto de Renda, a fim de aumentar a faixa de isenção. No total, seis Projetos de Leis (PLs) foram elaborados.

Senadores defendem alteração na tabela do imposto de renda

Vários projetos que buscam corrigir a defasagem da faixa de isenção do IR tramitam no Senado Federal. Um dos textos é o PLS 46/2018, do senador Lasier Martins. A intenção é promover o reajuste anual da tabela.

“Segundo estudo realizado pelo Sindicato dos Auditores Fiscais (Sindifisco), a defasagem na tabela é de 113,09%. Isso significa que a atual isenção salarial para os que possuem um ganho mensal em torno de R$ 1.903 deveria passar para R$ 4.022. Mais uma vez a lógica se inverte, os brasileiros que recebem salários mais baixos são os mais afetados pela defasagem”, afirmou o senador Paulo Paim, apoiador da proposta.

Para o senador Fabiano Contarato, o Governo Federal é omisso quanto a atualização da tabela. O parlamentar apresentou o PL 999/2021, que prevê a isenção do importo para quem ganha até R$ 4.135. Além disso, o texto garante que reajustes sejam realizados anualmente com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Na mesma perspectiva, o senador Jorge Kajuru apresentou um projeto (PL 2.988/2019) que cria uma nova faixa de na tabela progressiva do Imposto de Renda. A proposta também determina a incidência desse tributo sobre lucros e dividendos pagos ou creditados pelas pessoas jurídicas.

Kajuru ainda ressalta que a nova alíquota, de 40%, impactaria negativamente quem recebe acima de R$ 49.900, além de contribuir para a justiça tributária. Ele destaca quem caso o projeto seja aprovado, cidadãos de todas as classes pagarão os impostos, não só os pobres.

5/5 - (3 votes)
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.