Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

O PIX sofreu limitações para transferências realizadas no período noturno

O aumento de casos de sequestros relâmpago e de fraudes relacionadas ao PIX fez o Banco Central (BC) introduzir medidas de segurança no sistema. Alterações divulgadas no fim de agosto definem, entre outras regras, o limite de transferências entre pessoas físicas, inclusive microempreendedores individuais (MEI), para R$ 1 mil no período noturno, entre as 20 e 6 horas.

Entretanto, o Banco Central anunciou que além do horário padrão, de 20h às 6h, haverá apenas mais uma outra faixa, de 22h às 6h. Desde o dia 4 de outubro, o limite para pagamentos digitais entre pessoas físicas à noite, entre 20h e 6h, é de R$ 1 mil. Mas o cliente podia, até então, alterar o início da faixa noturna, que poderia ser iniciado de 20h até meia noite.

O problema de deixar um grande intervalo de tempo, é que esse período representava um grande leque de opções, que permitia que cada cliente fizesse uma escolha totalmente diferente, complicando a operacionalização.

A alteração imposta entre o período diurno e noturno para uso do PIX ocorreu devido a necessidade de mudanças para oferecer mais segurança aos meios de pagamentos eletrônicos. As alterações foram anunciadas no fim de agosto, em meio ao crescimento de golpes e fraudes com o PIX.

Apesar das limitações, o setor do e-commerce não será afetado

Em relação as novas limitações impostas pelo BC, Gastão Mattos, cofundador e CEO da Gmattos, afirma que essa mudança não deve prejudicar o desempenho de aceitação da modalidade relacionada ao e-commerce.

“A concentração das compras online é muito forte em dias úteis, entre 8h e 19h, período em que a nova regra não tem influência. Compras de passagens aéreas são mais distribuídas pela noite ou madrugada ou nos finais de semana, mas esse tipo de aquisição, de ticket médio alto, é o menos propenso ao PIX”, explicou o CEO da empresa.

Perto de completar um ano de funcionamento, o PIX alcançou uma marca importante. O sistema de pagamentos instantâneos, utilizado por mais de 40 milhões de brasileiros, já é aceito por mais da metade dos maiores lojistas online do país, segundo um levantamento divulgado nesta quarta-feira (10), pela consultoria e desenvolvimento de planos de negócios Gmattos.

O estudo aponta que das 59 lojas pesquisadas, que juntas representam 85% do setor de e-commerce nacional, 50,8% já aceitavam PIX em setembro. Dentre as empresas participantes, estão gigantes como Americanas, Magalu, Amazon, Carrefour, Mercado Livre, iFood, Renner, Netshoes, Uber, Sephora e Submarino.

O PIX impulsionará vendas no e-commerce brasileiro durante a Black Friday

A Black Friday deste ano que ocorrerá daqui a 6 dias será praticamente a primeira edição da maior promoção do ano com o PIX sendo tão utilizado, já que o sistema de pagamento instantâneo foi lançado em 16 de novembro de 2020, 10 dias antes da última Black Friday, época que ainda não era tão popular. Ou seja, chegou a hora de ver o PIX em ação.

Para se ter uma ideia, em janeiro de 2021, outro estudo da consultoria Gmattos apontava que apenas 17% das lojas online aceitavam PIX. A tendência, ainda de acordo com a pesquisa, é que até o fim do mês de novembro, 70% dos lojistas online já estejam permitindo o método de pagamento.

Uma coisa que pode incentivas as empresas do segmento de e-commerce para trabalhar na integração com o PIX é o fato dos mais de 100 milhões de usuários cadastrados no programa de pagamentos instantâneos. Além desse aumento exponencial de aceitação, a pesquisa em questão mostrou uma outra tendência, que foi a de lojas que oferecem promoções em pagamentos através do PIX.

Avalie o Texto.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.