Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Pix nos negócios: conveniência para o cliente

O BC informa que o Pix pode ser utilizado nos negócios, ao passo que traz muitas vantagens. Confira alguns pontos relevantes!

Por que usar o Pix no meu negócio?

O BC informa que o Pix pode ser utilizado nos negócios, ao passo que traz muitas vantagens. Por isso, os produtores de bens, varejistas e prestadores de serviços têm muito a se beneficiar com o Pix.

Conforme explica o BC, por ser uma transferência eletrônica instantânea, em ambiente seguro, o Pix se alinha ao ritmo do comércio e negócios em geral.

Sendo assim, não há necessidade de esperar o próximo dia útil ou a próxima janela de horário para receber um pagamento. Além disso, os custos são menores e há facilidade na integração com os softwares de automação e na conciliação de pagamentos.

Pix na prática 

Portanto, o Pix na prática tem o mesmo efeito do pagamento em dinheiro (em espécie): o dinheiro chega a sua mão na hora, mas em vez de ser na sua carteira, ele entra na sua conta. De forma segura e fácil, sem o risco de roubo ou necessidade de se preocupar com troco, por exemplo.

Além disso, como o Pix é um modelo com menos intermediários e as plataformas centrais são providas pelo Banco Central, o custo de aceitação é menor que outros meios eletrônicos, informa o próprio BC.

Por isso, o Pix é bastante interessante também para o comércio eletrônico, uma vez que a confirmação do pagamento é efetuada em poucos segundos, o que pode acelerar o processo de envio da mercadoria, facilitando a gestão do estoque e logística.

Conveniência para o cliente

O BC define que além de facilitar a gestão financeira das empresas, o Pix é conveniente para o cliente. Os comerciantes poderão adaptar seu modelo de negócio de diversas formas, inclusive diferenciando preços para o pagamento com Pix para melhor adequação às necessidades do cliente.

Um exemplo é o estabelecimento colocar em local visível a sua identificação para receber o pagamento. Veja algumas hipóteses:

  • Comerciante que quer o QR Code à mão do cliente
    O comerciante imprime um QR Code, que fica ao alcance do cliente. Na hora de pagar, o cliente escolhe a opção Pagar com Pix e lê o QR Code com celular. O comerciante informa o valor da compra, facilitando o pagamento de compras de valores diferentes, e pode optar inclusive por solicitar que o próprio cliente digite o valor da transação. Vale, por exemplo, para um pipoqueiro, com um QR Code no seu carrinho, esperando para ser lido pelo cliente.
  • Comerciante que quer gerar um QR Code a cada compra
    Um QR Code será gerado para cada compra, de acordo com os itens e a quantidade que ele pega. Vale para supermercados e restaurantes, por exemplo, define o Banco Central do Brasil. 

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.