Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Pix: inovação, usabilidade e segurança

Qual é a diferença entre Pix e outros meios de pagamento?

Conforme informações oficiais do BCB (Banco Central do Brasil), o Pix foi criado para ser um meio de pagamento bastante amplo. 

Sendo assim, qualquer pagamento ou transferência feito usando diferentes meios (TED, cartão, boleto etc.), poderá ser feito com o Pix, simplesmente com o uso do smartphone. O Pix é mais uma opção disponível, sendo uma alternativa para quem já utiliza Ted e Doc.

Pix funciona através de chaves cadastradas

O Pix funciona através de chaves Pix, que são dados pessoais cadastrados para realizar transferências e pagamentos.

 O Pix funciona 24 horas, 7 dias por semana, entre quaisquer bancos, de banco para fintech, de fintech para instituição de pagamento, entre outros, de acordo com informações do BCB.

QR Code nos comércios

O Pix faz a leitura de QR Code, bem como, ocorre o recebimento do valor imediato, o que facilita as finanças empresariais.

O comerciante pode disponibilizar QR Code estático e dinâmico. Sendo assim, são códigos que permitem a leitura através do smartphone. 

Débitos feitos através de transferências – agilidade nos pagamentos 

Além disso, o Pix funciona como um cartão de débito, já que as transações podem ser feitas por meio do telefone celular, sem a necessidade da utilização do cartão.

Por isso, o Pix dispensa intermediadores de pagamentos, o que é um diferencial, já que não há taxas por conta desse intermédio, como ocorre em outros meios de pagamento. 

Conforme informações oficiais do BCB, a usabilidade do Pix é para:
  • transferências entre pessoas;
  • pagamento em estabelecimentos comerciais, incluindo lojas físicas e comércio eletrônico;
  • pagamento de prestadores de serviços e pagamento entre empresas, como pagamentos de fornecedores,  por exemplo;
  • recolhimento de receitas de Órgãos Públicos Federais como taxas (custas judiciais, emissão de passaporte etc.), aluguéis de imóveis públicos, serviços administrativos e educacionais, multas, entre outros (esses recolhimentos poderão ser feitos por meio do PagTesouro);
  • pagamento de cobranças; 
  • pagamento de faturas de serviços públicos, como energia elétrica, telecomunicações (telefone celular, internet, TV a cabo, telefone fixo) e abastecimento de água; e
  • recolhimento de contribuições do FGTS e da Contribuição Social (a partir de 2021).
Informações pessoais no Pix estão protegidas 

Conforme informa o BCB, as informações pessoais trafegadas nas transações Pix, assim como nas transações de TEDs e DOCs, estão protegidas pelo sigilo bancário, de que trata a Lei Complementar nº 105, e pelas disposições da Lei Geral de Proteção de Dados.

Há muitas inovações que entrarão em vigor visando melhorar a ferramenta em muitos aspectos, já que ainda é uma ferramenta nova no mercado financeiro.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.