Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Paciente que ficou com cicatrizes após cirurgia plástica será indenizada

Um cirurgião plástico foi condenado ao pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 30 mil e dano estético em R$ 20 mil, por ter deixado grandes cicatrizes em uma paciente após a realização de duas cirurgias.

De acordo com entendimento do magistrado, o médico não celebrou contrato por escrito de prestação de serviço e não orientou a paciente de forma adequada e necessária.

Relação de consumo

Segundo relatos da paciente, ela realizou uma cirurgia plástica e, alguns após o procedimento, a mulher ficou preocupada, pois as dores aumentaram e começou a sentir mal cheiro, apesar de tomar todos os remédios indicados pelo médico.

A requerente narrou que, mesmo seguindo à risca as orientações do médico, não obteve melhora, e suas cicatrizes, que permanecem até hoje, foram se formando a ponto de desconfigurar totalmente sua aparência.

Ao analisar o caso, o juízo de origem ressaltou que o réu presta serviço como médico cirurgião plástico e, assim, sua obrigação é de resultado, devendo informar ostensivamente ao consumidor o perigo que o serviço a ser prestado pode causar.

O magistrado salientou ainda que a leitura das provas documentais apresentadas pelo réu indicam a ausência de contrato por escrito de prestação de serviço com o respeito aos artigos 8º e 9º do CDC.

Erro médico

O magistrado arguiu que restou configurada a presença do nexo de causalidade entre a falta de informação necessária e adequada ao consumidor, em especial em relação ao surgimento das cicatrizes provenientes do serviço prestado potencialmente perigoso, e o dano estético e moral suportado pela paciente.

Para o julgador, percebe-se que a sociedade em geral revela uma tendência de culpar a própria mulher como se fosse um crime ou algo reprovável o fato da mesma procurar esse tipo de procedimento estético.

Por fim, o juiz alegou que a conduta do réu ofendeu os princípios do CDC estabelecidos nos artigos 8º e 9º e, por decorrência lógica, surge a obrigação de reparar o dano moral e estético suportado pela autora.

Fonte: TJGO

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.