Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Paciente portadora de paraplegia deve ter tratamento custeado por plano de saúde

Por unanimidade, a 3ª Seção Cível do TJRN proferiu decisão determinando que uma operadora de saúde deverá autorizar e custear a realização do exame intitulado “Painel NGS para paraplegias espásticas” em favor de uma paciente acometida de paraplegia espática e que teve seu tratamento rejeitado sob alegação de restrição em cláusula contratual por não estar no rol da Agência Nacional de Saúde.

Com efeito, a turma colegiada acolheu a pretensão autoral, atribuindo efeito ativo ao recurso interposto pela defesa da beneficiária contra sentença que indeferiu o pedido de antecipação dos efeitos da tutela.

Tutela antecipada

Consta nos autos que a requerente possui 59 anos de idade e, segundo parecer médico emitido, ela possui sinais da doença intitulada paraplegia espática, o que lhe provoca grandes dificuldades de locomoção, bem como a diminuição progressiva da força dos membros inferiores.

A defesa da idosa relatou que, quando ela procurou o médico geneticista, este indicou a realização do exame “Painel NGS para paraplegias espásticas” como forma de fechar o diagnóstico para, logo em seguida, iniciar o tratamento adequado.

Gravidade da doença

Ao apreciar o caso, o juiz e relator Eduardo Pinheiro ressaltou que os laudos médicos demonstram a gravidade da doença que acomete a paciente, de modo que a falta de tratamento adequado pode provocar uma série de prejuízos à sua saúde.

Segundo salientou o magistrado, há indícios de que o procedimento almejado pela paciente é necessário e destina-se ao restabelecimento de sua saúde, cuja proteção provém de norma constitucional que assegura a dignidade da pessoa humana e, destarte, deve se sobrepor ao direito eminentemente pecuniário.

Assim o julgador concluiu que, nestes casos, prevalece a preservação da vida em relação a qualquer outro interesse e, tendo em vista que o tratamento em questão está assegurado por justificativa e pedido médico, mesmo que esteja fora do Rol da ANS, em decorrência do estado de saúde da autora, deve-se disponibilizar o tratamento pretendido.

Fonte: TJRN

Avalie o Texto.

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.