Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Open Banking: conceito e faseamento

Entenda como funciona o Open Banking e o objetivo de cada fase da implantação do sistema financeiro aberto. Confira!

 Como funciona o Open Banking?

O conceito básico do Open Banking é simples: o cliente é dono dos seus dados financeiros. Por isso, o sistema financeiro aberto dá essa autonomia ao cliente, sendo assim, pode compartilhar seus dados como desejar. 

Todavia, o Open Banking vai além dessa autonomia, pois permite que as instituições financeiras ofereçam produtos personalizados aos seus clientes.

O compartilhamento de informações dentro do sistema Open Banking e o consentimento do cliente

Além disso, conforme ressalta o BCB, esse compartilhamento de informações dentro do sistema Open Banking ocorre mediante autorização prévia.

 O Open Banking torna possível que as instituições participantes ofereçam soluções que facilitam às pessoas controlarem suas vidas financeiras. Conforme informa o BCB, quem, por exemplo, possui mais de uma conta bancária ou tem conta em um banco e empréstimo em outro, poderá ver todas as suas informações em um único local. O BCB dividiu o Open Banking em 4 fases, inicialmente. Sendo assim, confira as fases de implantação, conforme informações oficiais. 

Dados públicos das instituições financeiras – fase 1

As instituições financeiras disponibilizam dados de forma padronizada. Nessa fase, devem ser disponibilizadas as informações de seus canais de atendimento e de seus produtos e serviços, incluindo as taxas e tarifas de cada item ofertado.

Para o cliente: podem surgir novas comparações de produtos e serviços financeiros, o que facilitará a escolha de produtos de acordo com as necessidades de cada cliente.

Compartilhamento de dados do consumidor – fase 2

O consumidor poderá compartilhar seus dados (cadastros, transações em conta, informações sobre cartões e operações de crédito) com as instituições de sua preferência. Tudo é feito por meio de consentimento, que pode ser revogado a qualquer momento.

Para o cliente: novos produtos e serviços, mais personalizados e acessíveis podem ser acrescentados. Porém, o compartilhamento de dados entre instituições só será possível por meio de consentimento.

Serviços à  escolha do consumidor – fase 3

Os consumidores terão acesso a serviços financeiros como pagamentos e encaminhamento de propostas de crédito, sem a necessidade de acessar os canais das instituições financeiras com as quais eles já têm relacionamento.

Para o cliente: nesta fase poderão ser enviadas e contratadas propostas de crédito de outras instituições de escolha do consumidor, que ganha autonomia no acesso a serviços financeiros.

Ampliação de dados, produtos e serviços – fase 4

Inclusão de novos dados que poderão ser compartilhados, além de novos produtos e serviços, tais como contratação de operações de câmbio, investimentos, seguros e previdência privada.

Para o cliente: os consumidores passam a ter o controle do compartilhamento de uma gama maior de informações, o que pode levar à  criação de produtos ainda mais personalizados para cada necessidade.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.