Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO #ffffff;"> | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Tribunal confirma a condenação de homem acusado de falsificar bebidas

De acordo com a denúncia, o promotor de eventos violava e adulterava lotes de bebidas

A 7ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) reformou parcialmente a sentença da comarca de Patrocínio (MG). Assim, o réu foi condenado a 4 anos de prisão por adulterar garrafas de bebidas alcoólicas, na região do Alto Paraíba. Ele falsificava a embalagem e vendia o líquido corrompido como se fosse vodca, uísque e rum de boa qualidade.

Entenda o caso

De acordo com a denúncia que, em um condomínio localizado na Zona Rural do Município de Guimarânia, em junho de 2010, o réu, à época com

31 anos, foi acusado de violar, adulterar e falsificar bebidas alcoólicas destinadas ao consumo, tornando-as nocivas à saúde humana; porquanto, revendia o produto falsificado em festas, como se originais fossem.

Segundo o relatório policial, no local da apreensão, foram encontradas várias garrafas, das mais variadas marcas, algumas cheias e outras vazias. Além disso, haviam lacres e galões contendo líquidos e substâncias tóxicas em seu interior, armazenados em um local insalubre e sem higiene.

Adulteração de bebidas

Aos policiais, o réu admitiu que usava o local para alterar o conteúdo de garrafas de qualidade superior para bebidas misturadas a outros produtos de forma caseira. 

Diante disso, em 19 de julho de 2017, ele foi condenado à pena de quatro anos e seis meses de reclusão, em regime inicial semiaberto, e mais 15 dias-multa, pelo juiz Serlon Silva Santos da comarca de Patrocínio (MG).

Pedido de absolvição

No entanto, inconformado com a sentença condenatória de primeiro grau, o homem recorreu. Em seu recurso, ele alegou que não recebeu a intimação para comparecer à audiência de instrução e julgamento. Da mesma forma, alegou a ausência de laudo pericial direto acerca das bebidas e substâncias apreendidas. Diante disso, o promotor de eventos requereu a absolvição, por insuficiência de provas, e alternativamente, pediu pela redução da pena.

Alteração de endereço

O desembargador Marcílio Eustáquio Santos, relator do recurso do promotor de eventos, ao analisar os autos do processo, verificou que o réu alterou seu endereço no decorrer do processo. No entanto, não comunicou a mudança ao Poder Judiciário, e que por isso não foi possível intimá-lo, uma vez que o oficial de justiça não o encontrou.

No entanto, o magistrado concluiu que todas as providências cabíveis foram tomadas com o intuito de não prejudicar o réu, tampouco cercear o seu direito de defesa. O magistrado observou, por exemplo, que, por duas vezes, as audiências de instrução e julgamento tiveram de ser redesignadas, ficando claro que o acusado não manteve atualizado o seu endereço, não podendo a prestação jurisdicional ficar à mercê da vontade do réu.

Quanto ao cálculo da pena, o relator avaliou que a confissão extrajudicial do acusado foi imprescindível para o convencimento do julgador. Portanto, o desembargador-relator Marcílio Eustáquio Santos reformou parcialmente a sentença de primeiro grau e reduziu a pena para quatro anos de reclusão, em regime inicial semiaberto, e 10 dias-multa.

Acompanharam o voto o desembargador Cássio Salomé e o juiz de direito convocado José Luiz de Moura Faleiros.

Fonte: TJMG

Veja mais informações e notícias sobre o mundo jurídico AQUI

Leia Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?