Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Ministro decide pela permanência de Adélio Bispo no Presídio Federal de Campo Grande (MS)

De acordo com o ministro Nunes Marques, caso não haja hospital de custódia e tratamento psiquiátrico ou não houver vaga, a internação deverá ser cumprida em outro estabelecimento adequado

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Nunes Marques, considerou incabível o Habeas Corpus (HC) 194289, em que a defesa de Adélio Bispo solicitava sua transferência do Sistema Penitenciário Federal para hospital de custódia e tratamento psiquiátrico ou outro estabelecimento adequado situado no Estado de Minas Gerais (MG). 

Insanidade mental

Adélio Bispo é autor do atentado contra Jair Bolsonaro ocorrido em Juiz de Fora (MG), durante a campanha eleitoral de 2018 para Presidência da República. 

Entretanto, Adélio teve reconhecida sua inimputabilidade penal por insanidade mental e foi submetido à medida de segurança de internação, por tempo indeterminado.

Exigências legais

No habeas corpus, a defesa questiona decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que, em resolução de Conflito de Competência, determinou a permanência de Adélio na Penitenciária Federal de Campo Grande (MS). 

De acordo com o STJ, o local cumpre as exigências legais para o caso, porquanto conta com Unidade Básica de Saúde e com atendimento médico psiquiátrico.

Instrumento adequado

O ministro Nunes Marques, ao negar o pedido da defesa, explicou que, segundo o entendimento do Supremo, não cabe habeas corpus contra decisão proferida no âmbito de conflito de competência. Isto porque, a fixação da competência, por si só, não tem potencial para restringir diretamente a liberdade de locomoção física. 

O cabimento de HC é restrito às hipóteses em que o indivíduo venha a  sofrer lesão ou ameaça de sofrer violência ou coação em sua liberdade de locomoção, e o mandado de segurança é o instrumento adequado para proteger direito líquido e certo que não seja relativo à liberdade ambulatorial do indivíduo.

Internação

Do mesmo modo, o ministro rejeitou o argumento da defesa de que a decisão contraria o artigo 96, inciso I, do Código Penal (CP), que determina que, em regra, a internação deve ser cumprida em hospital de custódia e tratamento psiquiátrico. 

Todavia, o ministro Nunes Marques observou que, se não houver esse tipo de local ou se não houver vaga, a medida poderá ser cumprida em outro estabelecimento adequado. 

No caso dos autos, o STJ destacou que o único estabelecimento adequado para o cumprimento da medida de segurança em Minas Gerais não possui vagas disponíveis e conta com uma fila de espera de 427 pacientes.

Tratamento médico

Além disso, de acordo com o relator, conforme as informações do sistema penitenciário, Adélio recebe, atualmente, tratamento médico adequado em conformidade com a lei. 

Dessa forma, ao concluir, o ministro apontou que, para acolher as teses sustentadas, seria indispensável o reexame do todo conjunto fático-probatório, o que é inviável em sede de habeas corpus.

Fonte: STF

Veja mais informações e notícias sobre o mundo jurídico AQUI

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.