Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Loja de departamento indenizará consumidora acusada de tentar furtar peça de roupa

A magistrada titular do 6º Juizado Especial Cível de Brasília/DF condenou uma loja de departamento ao pagamento de indenização, a título de danos morais, em favor de uma mulher que foi acusada por supostamente tentar furtar uma peça de roupa.

Falsa acusação

Consta nos autos que a mulher foi a uma loja da empresa ré para trocar algumas peças de roupa e, ao entrar no provador, recebeu uma placa identificando quantas peças iria provar.

De acordo com a mulher, ela separou duas peças e entregou outras quatro à funcionária que, na frente de outros clientes, afirmou estava faltando uma roupa.

Ato contínuo, a funcionária da loja chamou o segurança da loja que, por sua vez, corroborou a acusação.

Após vistoriar as roupas e sacolas da mulher sem localizar a suposta peça escondida, o segurança a liberou.

Não obstante o constrangimento sofrido, a consumidora foi até o caixa pagar pelas peças escolhidas e, na sequência, procurou o gerente da loja que, segundo seus relatos, não se disponibilizou a solucionar o caso.

Diante disso, a mulher ajuizou uma demanda indenizatória em face da loja de departamentos em razão dos danos morais experimentados.

Danos morais

Ao fundamentar a sentença, o juízo de origem consignou que a empresa ré sequer juntou aos autos provas do alegado exercício regular de sua conduta e, tampouco, contestou especificamente a abordagem indevida relatada pela consumidora.

Assim, para a magistrada, as alegações da mulher devem ser compreendidas como presumidamente verdadeiras.

Segundo alegações da julgadora, restou evidenciado o comportamento ilícito perpetrado pelos funcionários da loja ao abordarem a autora indiscretamente e na frente de outras pessoas, expondo-a a uma situação humilhante e vergonhosa.

Com efeito, o juízo entendeu que a loja realizou o exercício de proteção do patrimônio irregularmente, restando caracterizado abuso de direito e falha na prestação do serviço.

Diante disso, a juíza condenou a loja de departamento ao pagamento de R$ 3mil em favor da mulher pelos danos morais sofridos.

Fonte: TJDFT

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.