Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Guedes confirma rearranjo: “para gerar empregos”

Uma reforma ministerial deve ser feita novamente no governo Bolsonaro. É esperado que Onyx Lorenzoni chefie a recriação da nova pasta – o Ministério do Trabalho e Previdência. Ele hoje comanda a Secretaria-Geral do governo. As informações são do portal IG.

A iniciativa é defendida pelo ministro de Economia, Paulo Guedes. “Vamos fazer uma mudança organizacional aqui. Teremos novidades na Economia também. Essas novidades são para geração de emprego e renda. Emprego, saúde e renda, é isso que eu desejo”, disse o ministro.

A mudança pode enfraquecer o ministério da Economia, já que hoje as responsabilidades do Ministério do Trabalho e Previdência estão dentro do guarda-chuva de obrigações de Guedes.

Já a Secretaria-Geral do governo deve ter espaço para um novo chefe. O cargo poderá ser entregue para o Centrão. As informações são de Natuza Nery, do G1

Ele também falou sobre a reforma da previdência e levantou a possibilidade de reajuste no texto de projetos que “saíram do armário”.

Aumento de impostos

Além de falar da geração de emprego, Guedes também afirmou que não deverá ter aumento de impostos para toda a população por meio da reforma tributária, mas sim para os super-ricos.

“O essencial nós faremos, tributar dividendos. Mas, reduziremos a tributação para 31 milhões de brasileiros assalariados. O MEI será mantido, o sistema S ninguém vai mexer. E principalmente, estamos desonerando as empresas. Queremos puxar de 39% para 20%”, destacou.

O valor dos dividendos, estimados em R$ 100 bilhões, já teriam inclusive metade do total reservados para propósito específico – saiba mais clicando aqui. 

Ainda nesta quarta-feira (21) foi anunciada a arrecadação de impostos e tributos federais, do primeiro semestre de 2021, que ficou em R$ 881,99 bilhões. A quantia é significou um aumento de de 24,49% , se comparado no ano passado.

Em março do ano passado foi descoberto o primeiro caso de Covid-19 no Brasil, o ano também foi marcado pela política do “abre e fecha” devido a tentativa de evitar aglomerações e o aumento de casos.

“O desempenho da arrecadação voltou em V de forma extraordinária. Temos certeza que vai atravessar para mostrar o vigor da recuperação econômica brasileira, gerando milhões de empregos e gerando arrecadação muito forte”, finalizou Guedes.

 

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.