Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Gás de cozinha perde espaço para uso da lenha

Com os alto preços do gás de cozinha ultrapassando R$ 100 em algumas regiões, as famílias brasileiras mais pobres tem se visto obrigadas a voltar a utilizar lenha. O uso do item cresceu 1,8% em 2020 se comparado a 2019, segundo levantamento da Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

Para se ter uma ideia, a lenha foi inclusive mais usada nas residências do país totalizando 26,1% de participação e só depois o gás de cozinha (GLP) aparece com 24,4%. As informações foram publicadas pelo Estadão.

Analisando a história a notícia parece ser um problema ainda maior. “Até a metade do século 18, a lenha era a energia predominante, antes da invenção da máquina a vapor. Com o avanço tecnológico, o carvão e, depois, o petróleo e o gás assumiram a dianteira como fonte de energia. O avanço da lenha no Brasil representa um retrocesso em 200 anos”, afirmou Rodrigo Leão, pesquisador do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep), em entrevista ao Estadão.

Neste cenário, opções diante da crise são levantadas, mas ainda difíceis de serem aplicadas. “Poderiam ser construídos grandes biodigestores e canais de distribuição de biometano nas comunidades, por exemplo. Mas esbarramos em muitas dificuldades, até na coleta seletiva do lixo”, diz Carla Achão, superintendente de Estudos Econômicos, Energéticos e Ambientais da EPE, em entrevista ao Estadão.

Política de preço do gás cozinha

A política de preço do gás de cozinha, alterada em 2017, é uma das responsáveis pelos altos preços hoje praticados, sendo que uma estimativa prevê que o gás de cozinha poderia até atingir R$ 200.

Desde 2019, o aumento do gás de cozinha tem sido realizado sem período definido, em outras palavras pode acontecer a qualquer momento levando em consideração cotações do petróleo e do dólar.

Na última alta, a Petrobras justificou a medida pelo preço estáveis de 95 dias.  “Nos quais a empresa evitou o repasse imediato para os preços internos da volatilidade externa causada por eventos conjunturais, a companhia realizará ajuste no preço do GLP para as distribuidoras”, declarou a empresa.

Desta forma o preço do gás de cozinha vendido na Petrobras saiu de R$ 3,60 para R$ 3,86 por kg, totalizando R$ 50,15 por botijão de 13kg. O preço ainda deve sofrer impacto com os custos de envase, transporte e distribuição.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.