Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

CONFIRMADO! Demitidos na pandemia NÃO vão receber parcela extra do seguro-desemprego

Está decidido. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) reprovou a proposta que previa ampliar o seguro-desemprego por mais tempo. De acordo com a proposta inicial, o trabalhador que fosse demitido sem justa causa durante a pandemia do novo coronavírus receberia duas parcelas extras do benefício.

Hoje, o cidadão tem direito de três a cinco parcelas do seguro-desemprego. Caso a proposta fosse aprovada pelo Codefat, o trabalhador que fosse demitido entre 20 de março e 31 de julho receberia de cinco a sete parcelas. A proposta iria beneficiar pelo menos 2,76 milhões de pessoas, totalizando um total de R$ 7,3 bilhões.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desemprego no Brasil aumentou 1,2%. A finalidade da prorrogação do seguro-desemprego seria para amenizar os impactos econômicos causados pela pandemia do novo coronavírus.

Para a medida ser aprovada, o texto precisava de 10 votos favoráveis. Os representantes dos trabalhadores tinham seis cadeiras no conselho. No entanto, o Codefat reprovou a proposta por 12 votos a 6.

Ampliação do seguro-desemprego

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho revelou que a proposta apresentou problemas jurídicos. A pasta revelou que a Lei nº 7998 prevê apenas a prorrogação do seguro-desemprego para um determinado grupo de trabalhadores, delimitado de forma geográfica ou por categoria profissional.

“A proposição rejeitada pelo Codefat não se enquadrava nesses critérios, uma vez que previa um pagamento irrestrito de duas parcelas adicionais aos demitidos durante a pandemia. Além disso, o custo extra de R$ 7,3 bilhões impede a aprovação pelo colegiado, que precisa trabalhar dentro dos recursos do Fundo”, disse.

De acordo com informações da secretaria, a proposta apresentada contava com ausência de requisitos mínimos de tempo de permanência no emprego para concessão das parcelas adicionais.

A Secretaria revelou que apenas 6,55% dos empregados demitidos no período sem o pagamento do seguro-desemprego.

“Destes, 123 mil solicitaram o auxílio-emergencial. Cerca de metade deste contingente teve a solicitação atendida e a outra metade não estava habilitada a receber, por exemplo, por já ter algum familiar recebendo”, completou.

Veja também: Confira os pagamentos do auxílio emergencial e FGTS desta semana

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
11 Comentários
  1. Geraldo Carlos de Freitas Diz

    Então o ( codefat ) não liberou às 7 parcelas do seguro desemprego que seria de 7 milhões e liberou 67.7 milhões para pessoas que nunca contribuíram. E como ficamos nós trabalhadores que fomos dispensados na pandemia. Porque não existe campos para solicitaremos nossos direitos as parcelas do auxílio emergêncial. Porque não corta as verbas dos deputados e senadores para que assim os desempregados consigam receber. Só que nos salários desses colarinhos brancos a justiça não chega. Só chega aos pobres trabalhadores. Humilhante me cinto desprezado.

  2. Donizete Diz

    Isso e uma vergonha nós que trabalha Sol a Sol e não temos direitos a nada tudo nos pagamos!! já os que não trabalha tiveram direito sem ajudar o governo em nada 😞

  3. Rosemary Aparecida Mendes Diz

    Muito triste tudo isso. Não da pra descrever tamanha indignação por tudo iss.isso é Brasil.

  4. Gilson gomes de jesus Diz

    Também estou no mesmos barco eu estava esperando ese dinheiro pra comprar alimentação Jaime visionário cadê vc

  5. Ledmara Moreira Silva Diz

    Impressionante,isso.Triste mesmo conheço gente que nunca trabalhou e pega o auxílio.Que Brasil e esse,que MOSTROS são esses que NÃO aprovaram essa proposta.Sentam em uma cadeira achando que são Deuses para simplesmente prejudicar o próximo.Coloquem seus hipócritas a cabeça no travesseiro e durmam o sono dos justos.Le

  6. Otario Diz

    Brasil pais de tolos, quanto mais vc trabalhar menos terá direitos…

  7. Rogerio daniel araujo Diz

    Poxa engracado ne o trabalhador coopera tambem ajudando com os impostos pagos pra ajudar milhoes que nunca trabalhou pra receber r$600,00 e r$300,00.
    Agora que esta desempregado nao serve ,que conselho porco e essev,pensaram no dinheiro pra muitos que nunca trabalhou na vida ,e o coitado do trabalhador embaixo de chuva ,se arriscando a vida contra covid.
    E assim mesmo o pai de familia batalha ,luta e vem uns engomadinhos que em sua mesa farta comida e o trabalhador que se ferre cade a codefat pra olhar para essas familias se nao tem direito esses tem os que nunca trabalhou bando de hipocritas

    1. Diana Diz

      Que país é esse!!
      Nos trabalhadores não temos direito a nada,vamos ficar como nessa pandemia,acabou o seguro desemprego

  8. Nara Raquel Fernandes Oliveira Diz

    Não pude aderir ao auxílio pois estava em trâmite receber as parcelas do seguro desemprego a mais. Como não foi aprovada.
    Vamos ficar prejudicados? Pois não há empresas contratando aqui onde moro, no interior do Tocantins. E-mail:
    vsnfernandes@gmail.com

  9. Juliana Diz

    Aaaa novidade q não vamos ter direito né,,mais o bolso dos governantes está cheio

  10. Sandra Lucia Maia Diz

    Preciso muito do bolsa família estou sem condições de trabalhar e preciso fazer exames e fazer compras e comprar remedios

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.